Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Escola deve informar os extras aos pais

Nas escolas infantis, gastos extras equivalem a até 4 mensalidades a mais por ano

Isis Brum, Jornal da Tarde

05 Dezembro 2010 | 15h23

Nenhuma lei proíbe as escolas de educação infantil de oferecer serviços extras, como passeios, fotos e cursos. Mas a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) explica que os itens com custos para os pais devem ser discutidos  antes da assinatura do contrato.

 

“As instituições de ensino devem informar de maneira clara, e previamente à contratação, sobre as atividades escolares do ano letivo seguinte que envolvam viagens ou passeios culturais, especialmente aquelas que impliquem custos para os pais”, informa a entidade em nota. E acrescenta que a escolinha deve proporcionar atividades similares, no seu espaço, aos alunos que não podem frequentar os passeios propostos.

 

Veja também:

 

- Nas escolas infantis, gastos extras equivalem a até 4 mensalidades a mais por ano

 

- ‘Atividades têm de fazer sentido’, diz educadora

 

“As atividades extras são importantes para a criança, mas os pais não são obrigados a colocá-las em todas”, defende Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieesp). Para Silva, as propostas têm fundamento pedagógico. “Mas o pai tem de escolher o que é melhor para a família dele”, diz.

 

Alerta ao contrato

 

De acordo com o Procon-SP, a leitura do contrato deve ser feita de forma rigorosa pelos pais.

 

Eles devem observar os períodos e as condições para rescisão do contrato, transferência, trancamento e desistência da vaga, por exemplo. “As cláusulas que limitam o direito do consumidor devem estar em destaque”, informa o Procon-SP.

Mais conteúdo sobre:
Educação Infantil Mensalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.