JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Escola de São Paulo estimula contato com a escrita aos 3 anos

Colégio defende iniciação lúdica; crianças conhecem formato das letras em jogos, veem seu nome escrito no material e têm livros à disposição para folhear

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2017 | 22h42

Já aos 3 anos, as crianças do Colégio Jardim Anália Franco, na zona leste da capital paulista, são estimuladas a compreender a linguagem escrita. Conhecem o formato das letras em jogos, veem seu nome escrito no material e têm livros à disposição para folhear e observar. Muitos aos 5 anos já conseguem ler e escrever pequenas frases. “Mostramos o mundo da escrita sempre de maneira lúdica e sem pressão e elas vão progressivamente se alfabetizando. E não há nenhum problema quando esse processo acontece mais tarde aos 6 ou 7 anos”, diz a diretora, Nevinka Tomasich. 

Ela ressalta que, antes da alfabetização, é importante que a escola estimule com brincadeiras outras habilidades, como a psicomotricidade, o controle dos movimentos, a maturidade. “Não adianta querer ensinar a escrever se ela ainda não consegue segurar um lápis. É preciso respeitar as etapas de aprendizado e o tempo de cada uma.”

Apesar de sua escola iniciar o processo já aos 3 anos, Nevinka admite ter receio de que o documento possa apressar demais a alfabetização. “Uma coisa é fazer de forma leve e sem pressão, outra é ter uma obrigatoriedade e as escolas iniciarem uma competição para ver quem faz mais rápido - e os pais entrarem nessa pressão.”

Para ela, o essencial da educação infantil é o tempo de brincadeira. “Muitas vivem em apartamento, ficam muito tempo no mundo digital. A escola é onde aprendem a socializar, correr, pular.”

Mais conteúdo sobre:
Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.