Reprodução
Reprodução

Erro de diagramação criou 2º Paraguai em mapa, diz fundação

Responsável pela impressão diz que vai repor todo o material distribuído com falha aos alunos de São Paulo

Agência Brasil,

19 de março de 2009 | 14h21

Uma falha de diagramação causou os erros publicados em cerca de 500 mil livros distribuídos a estudantes do Estado de São Paulo, segundo a Fundação Vanzolini, responsável pela elaboração dos mapas e do projeto gráfico da obra. Um livro didático de geografia, usado por alunos da 6ª série do ensino fundamental nas escolas públicas, mostra o Paraguai duas vezes em um mapa da América do Sul e exclui o Equador. O problema aparece tanto nos livros destinados aos estudantes quanto nas publicações destinadas aos professores.

 

A Secretaria de Estado da Educação (SEE) informou que determinou à Fundação Vanzolini a troca das publicações com erros. De acordo com a secretaria, a instituição arcará com todos os custos da troca, incluindo a impressão e a distribuição. O órgão informou ainda que os professores estaduais já têm à disposição a correção no site da secretaria ou no São Paulo Faz Escola.

 

O livro com erro é um material complementar distribuído na rede estadual. A publicação não substitui o material didático, mas é utilizada em conjunto com os materiais destinados aos professores.

 

A fundação informou, por meio de nota, que o problema afetou 1,55% dos livros publicados e foi gerado no processo de diagramação e aplicação dos nomes dos países na publicação. Segundo a instituição, a base cartográfica está correta, e o livro, na página 3, traz o mapa com os nomes dos países adequadamente aplicados.

 

"Com isso, deixa-se claro que o mapa recomendado pelos especialistas indicados pela Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas da Secretaria de Estado da Educação estava correto". A Fundação Vanzolini informou ainda que será estudada uma forma de reaproveitar os cadernos recolhidos.

Tudo o que sabemos sobre:
EducaçãolivrosSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.