<!-- eprograma -->Museu desvenda mistérios do mundo microscópico

Durante uma visita ao museu, crianças e jovens viram cientistas e aprendem na prática o quanto mãos sujas ou o dinheiro que circula no comércio podem ser prejudiciais para a saúde. No Instituto Butantan, o Museu de Microbiologia propõe que alunos e curiosos descubram o mundo dos organismos invisíveis.Inaugurado em 2002, o museu tem estrutura que o torna único na América Latina: sala de exposição, auditório com 40 lugares e laboratório microbiológico. "O museu foi criado com o objetivo de levar a ciência ao alcance de todos, de uma maneira prática, gostosa e interativa", comenta a coordenadora Glaucia Colli Inlgez. "O principal objetivo é capacitar professores e estimular os alunos a fazerem ciência."ExperimentosO melhor de tudo é que, aos sábados e domingos, pode-se tentar participar de alguns experimentos de laboratório. Este programa ainda está em testes e, por isso, as atividades são bem restritas (uma hora de duração por dia, ainda sem horário fixo), com número reduzido de participantes: apenas dez em cada turma.Durante a semana, em programas agendados com escolas, o laboratório admite turmas maiores, de 15 estudantes. Eles participam de atividades que ajudam a entender os organismos invisíveis (vírus, bactérias, fungos, entre outros), entre elas o experimento com a sujeira das mãos ou de uma cédula de dinheiro. Esfregando-as numa placa com substâncias químicas, pode-se observar as alterações provocadas pelos microorganismos.Com a técnica da coloração, os pequenos e jovens cientistas aprendem também como ocorre a propagação e a transmissão de fungos em frutas e pães.Modelos tridimensionaisPara o público geral, o programa padrão leva em média 45 minutos, com filme de dez minutos e o percurso pela exposição, onde há equipamentos que foram utilizados no início da microbiologia. Uma mesa com 18 painéis conta a história da microbiologia desde a invenção do primeiro microscópio ? que cabia na palma da mão ? até os dias de hoje.Nos painéis há modelos tridimensionais de vírus como HIV, da gripe e resfriados, além de bactérias, protozoários e DNA. Há também um microscópio acoplado a um monitor, que permite aos visitantes observar os microorganismos que vivem numa gota de água não tratada.Computadores permitem aos visitantes experimentarem programas didáticos desenvolvidos especialmente para o museu. "O visitante pode interagir, visualizando comportamentos de diferentes doenças causadas por microrganismos na população e a ação das vacinas", afirma Glaucia.EscolasDesde a fundação do museu, o movimento é constante e já passaram pelo local cerca de 8 mil pessoas e 500 escolas públicas e particulares. Glaucia diz que, para a visita de escolas, é preciso agendar um horário com antecedência.Durante este mês de férias, o Museu de Microbiologia está recebendo escolas municipais de São Paulo, no programa Recreio nas Férias. As escolas particulares pagam taxa de R$150,00, que cobre as atividades no laboratório e inclui um kit com placas, tubo de ensaio, termômetro, corantes, indicador de PH, estufa e um manual explicando como repetir as experiências em sala de aula.Programa para o públicoO museu fica aberto ao público geral de terça-feira a domingo, das 9h00 às 16h30. Para quem quer tentar participar das atividades no laboratório, a dica é ir no sábado ou no domingo pela manhã e se inscrever para a turma do dia (se ainda houver vaga). Geralmente as atividades do seleto grupo de dez pessoas começam às 14h00, mas este horário não é fixo.Crianças a partir de 6 anos de idade já podem participar destas atividades, se acompanhadas por um adulto responsável. No fim, pode-se comprar um kit avulso com material para fazer novos experimentos em casa. Cada um custa R$65,00.O Museu de Microbiologia fica na Avenida Vital Brasil, 1.500, zona oeste de São Paulo. Os ingressos custam R$2,00 para pessoas de 13 a 65 anos de idade. Crianças de 7 a 12 anos pagam R$1,00; crianças de 0 a 6 anos e idosos acima de 65 anos não pagam. Famílias com até cinco pessoas têm preço promocional: pagam R$4,00 ao todo.Mais informações, no fone 11-3726-7222 e no site do Museu de Microbiologia (www.butantan.gov.br/musmicrobi.htm).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.