<!-- eprograma -->A fábrica de caleidoscópios do professor Dias

A casa do professor de geografia Sylvio Tamoyo Dias, morador da Vila Gustavo, zona norte de São Paulo, é um dos raros lugares na cidade que ainda fabricam caleidoscópios. A idéia surgiu há 18 anos, quando Dias trabalhava em uma loja cujo nome era o deste objeto. ?Todos os dias mudávamos tudo, como um caleidoscópio. Sugeri aos proprietários fazer alguns para vender na loja?, conta.Sua pequena fábrica então nasceu e continuou, sempre produzindo artesanalmente. Trabalham no local duas pessoas, uma delas é o aposentado Francisco Cerqueira. Depois que deixou de atuar como metalúrgico, Cerqueira diz que começou a ?brincar de trabalhar? no local. ?É um pouco de diversão isso aqui, além de fazer os aparelhos tradicionais, fico inventando outras opções.?A fábrica vende os itens para lojas de brinquedos educativos e também prepara kits para escolas. ?Eu mesmo vou ensinar as crianças a montar e explico um pouco sobre a história do objeto?, diz Dias.EspelhosSegundo Dias, o engenho não tem uma história oficial. Depois de pesquisar muito sobre o assunto na internet, ele descobriu algumas referências: a primeira vez que apareceu oficialmente teria sido em 1818, na Escócia, feito por David Brewster.?Mas diz a lenda que o caleidoscópio existe desde que o homem teve contato com o espelho?, explica. O artefato usa três espelhos, uma lente e alguns objetos pequenos, coloridos e móveis, cuja imagem é refletida e compõe formas interessantes.Outra história é a dos tapetes persas, que nunca são iguais uns aos outros. ?Talvez eles tenham usado a idéia do caleidoscópio para fazê-los.?A palavra é de origem grega e significa ?olhar o belo?. Hoje, sua produção se resume a Taiwan, Estados Unidos, Itália e Brasil. Também há registros do caleidoscópio na China, segundo o professor.Os caleidoscópios de Dias têm preços entre R$ 3,00 e R$ 10,00. A fábrica Kaleidoscópio Brinquedos fica na Rua Major Dantas Cortez 244, fone 11-6987-0136.

Agencia Estado,

27 de fevereiro de 2004 | 15h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.