Renata Cafardo/Estadão
Renata Cafardo/Estadão

Entenda o que é o Pisa, principal avaliação de estudantes do mundo

Exame é feito de três em três anos, desde 2000; veja perguntas e respostas para saber mais sobre a avaliação

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2019 | 14h00

SÃO PAULO - O Programme for International Student Assessment, conhecido apenas como Pisa, tornou-se o maior exame de estudantes do mundo. Ele é feito de três em três anos, desde 2000, e os novos  resultados serão divulgados nesta terça-feira, 3, em Paris.

Para quem não se lembra, o Pisa é aquele exame que fez a Finlândia ficar conhecida como a melhor educação do mundo porque apareceu no topo de seus rankings. E mostrou o Brasil no outro extremo, entre os piores.

A prova é feita pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e os resultados são muito esperados pela comunidade educacional. Há pouca expectativa de o Brasil alcançar um bom desempenho, mas os dados podem ser usados para inúmeras análises, como comparações entre estudantes de escolas públicas e particulares, pobres e ricos, meninos e meninas.

Saiba mais sobre o Pisa nas perguntas e respostas abaixo:

O que é o Pisa?

É a maior avaliação internacional, feita com estudantes de 15 anos, de três em três anos. Os testes são de Leitura, Matemática e Ciência.

Quem faz?

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) realiza o exame com seus países membros e convidados. O Brasil é convidado desde a primeira edição, no ano 2000.

Quais resultados saem neste ano?

Nesta terça, serão divulgados os resultados de exames feitos em 2018 por 600 mil alunos em 79 países. Cada edição, o Pisa foca em uma das três áreas, desta vez o foco é em Leitura. Mas há também perguntas de Matemática e Ciência.

O que se entende por Leitura no Pisa?

Além da competência de interpretação e compreensão de texto, o Pisa agora mede habilidades dos estudantes de analisar, avaliar, checar a veracidade do que está escrito, quais as fontes, o que pretende o autor.

O que se pode saber com o Pisa?

Os mais conhecidos resultados são os rankings de países, em que a nota de cada um é usada para saber os melhores e piores em Leitura, Ciência e Matemática. Mas os dados também indicam o desempenho por gênero, por nível socioeconômico, a condição emocional dos alunos, o clima na escola. É possível fazer comparações entre escolas públicas e particulares, entre alunos mais pobres e mais ricos etc.

O que o Pisa já nos mostrou sobre o Brasil?

O Brasil, em geral, fica nas piores colocações dos rankings, mas seu desempenho melhorou ao longo dos anos. Na primeira década dos anos 2000, o País foi um dos que mais avançaram em sua nota em Matemática, sendo um destaque da OCDE. Depois, o resultado ficou estagnado. O resultado dos brasileiros sempre esteve abaixo da chamada média dos países participantes, a maioria deles desenvolvidos.

E sobre o mundo?

Foi por meio da avaliação que o mundo descobriu a Finlândia como uma grande referência na educação, já que ela apareceu no topo do ranking em 2000. Asiáticos, como Cingapura e Hong Kong, focaram seus sistemas nas avaliações e também têm ótimos resultados. Em 2015, o melhor país da Europa foi a pequena Estônia.

Por que o Pisa é importante?

Desde que foi criado, o Pisa já levou a mudanças importantes em políticas educacionais em vários países, como Alemanha, Portugal e muitos asiáticos, que se surpreenderam com os resultados iniciais. A avaliação também ajudou a nortear provas feitas pelos próprios países em suas redes, inaugurando uma era de testes feitos com estudantes para medir sistemas de educação.

Além disso, o Pisa foi uma prova inovadora, ao avaliar competências e habilidades e menos conteúdo, o que influenciou a maneira de pensar educação no mundo todo. No entanto, os críticos da avaliação sustentam que o Pisa levou países a adaptarem seu ensino apenas para se saírem bem nos testes da OCDE.

Como foi a prova de 2018 no Brasil?

Participaram no Brasil 17.507 estudantes, a maioria de escolas públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.