Ensino fundamental melhora no País, mas médio não avança

Dados do Ideb mostram notas melhores do 1º ao 5º ano do fundamental e estagnação nos anos finais da formação

Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

05 Setembro 2014 | 15h50

BRASÍLIA - O Índice Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) manteve sua evolução nos anos iniciais do ensino fundamental. Os estudantes do 1º ao 5º ano tiveram média de 5,2 pontos, 0,2 acima da última avaliação, em 2011, e 0,3 acima da média projetada pelo Ministério da Educação para a avaliação de 2013. Já o ensino médio, onde a rede de ensino tem tradicionalmente mostrado uma evolução menor, o Ideb não apresentou nenhum avanço entre as avaliações de 2011 e 2013, mantendo-se em 3,7. A meta para 2013 era de 3,9. 

Os anos finais do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, tiveram um pequeno avanço, de 0,1, chegando a 4,2, mas, como o ensino médio, está abaixo da meta estipulada para 2013, que era de 4,4 pontos. De acordo com os dados apresentados na tarde desta sexta-feira, 5, pelo Ministério da Educação, os dados dos anos finais desaceleraram a melhora. Em 2011, a média nacional havia chegado a 4,1, 0,3 ponto acima da meta colocada. 

"A diferença até agora era de 0,2 pontos. Esse ano a meta era maior, comparativamente", explica o presidente do Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas em Educação, Francisco Soares. 

Nos anos finais, apenas cinco Estados cumpriram a meta. Entre os municípios, apenas 39,6% deles alcançaram o objetivo. No Estado de São Paulo, apenas 26,4% das redes municipais atingiram a meta. No ensino médio, também apenas quatro Estados conseguiram atingir a meta. 

A manutenção da média no ensino médio se deve, basicamente, ao componente de rendimento, que inclui diminuição nos dados de evasão e repetência. A nota média caiu, na verdade. De 4,57 pontos para 4,44. "Continuamos a melhorar na permanência. O indicador de rendimento melhorou", afirmou o presidente do Inep. 

Os anos iniciais do ensino fundamental são aqueles que ainda mostram melhor resultado e se mantém acima da meta proposta pelo MEC desde 2007. Os resultados mostram que o avanço aconteceu tanto nos indicadores de rendimento quando na nota média, que alcançou 5,56, 0,13 acima de 2011. "As crianças dos ano finais estão frequentando escolas onde há muito mais aprendizagem. Hoje são 4,82 milhões de crianças estudando em escolas com Ideb acima de 5", afirmou Francisco Soares. 

Mais conteúdo sobre:
Ideb Brasil Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.