Enfermagem é profissionalização da arte de ajudar

Se você está pensando em prestar vestibular para Enfermagem só porque a carreira é menos concorrida que a Medicina, é melhor começar a mudar de idéia. Apesar de as profissões possuírem alguns pontos em comum, elas têm focos bem diferentes. ?Os médicos ficam responsáveis pelo diagnóstico e o tratamento?, explica a professora da Faculdade de Enfermagem da Santa Casa de São Paulo Ana Llonch Sabates. ?Já as enfermeiras ajudam a melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Praticam a arte de cuidar.? As diferenças não param por aí. Só para iniciar a lista, a Enfermagem requer quatro anos de estudos ? são seis para se formar médico. Uma vez na universidade, os enfermeiros vão cursar disciplinas básicas, como anatomia, nutrição e farmacologia, além de matérias específicas. Os profissionais também aprendem a administrar instituições de saúde. O curso habilita os formandos, ainda, a continuar a vida acadêmica ou buscar especializações. No dia-a-dia dos hospitais, o trabalho com os pacientes é sempre feito em equipe, com médicos, auxiliares e técnicos em enfermagem. Por isso, é muito importante ter capacidade de comunicação. ?Também são necessários conhecimento técnico-científico, habilidade e destreza manual, bom senso, postura ético-profissional e iniciativa?, diz a chefe de Enfermagem da Educação Continuada da Santa Casa, Ivone Regina Fernandes.O resultado de tanta dedicação compensa. ?Há uns três anos, uma paciente que tinha câncer de mama, após passar por cirurgia, quimioterapia e radioterapia, se recuperou e voltou para me agradecer pelas orientações e pelos cuidados. Foi gratificante?, lembra Ivone. Os enfermeiros também desenvolvem trabalhos fora dos hospitais, para evitar as doenças. É isso que fazem, por exemplo, os que atuam no Programa de Saúde da Família. Os alunos da Unifesp começam essas atividades com a comunidade já no primeiro ano, graças à chamada Prática Transdisciplinar. ?Com a educação da população conseguimos reduzir os índices de mortalidade?, diz a coordenadora do curso de graduação, Odete de Oliveira.

Agencia Estado,

31 de outubro de 2002 | 15h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.