Enem vai ser aplicado em mais unidades prisionais

Inscrições para prestos e jovens em medida socioeducativa foram prorrogadas até sexta-feira

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

18 Outubro 2011 | 12h28

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano vai ser aplicado em 715 unidades prisionais do País, número 36,5% maior do que na edição de 2010. A previsão é de que, por conta disso, mais presos e jovens em medida socioeducativa façam o exame. Com a inclusão de novas unidades no processo, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pela prova, prorrogou as inscrições para esse público até esta sexta-feira.

 

Por motivo de segurança, a prova nestes locais será aplicada nos dias 28 e 29 de novembro – para o público geral, o exame ocorre neste fim de semana. O modelo da prova, com questões de dificuldades pré-testadas e correção sob a Teoria de Resposta ao Item (TRI), possibilita que duas provas diferentes possam ter a mesma validade.

 

Edital publicado no Diário Oficial da União na semana passada incluiu mais 13 unidades prisionais no cadastro para a realização da prova. São presídios e casas de detenção da Bahia, Mato Grosso, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Piauí e Ceará.

 

Presos de todos os Estados farão o exame em 2011. A pontuação do Enem pode ser usada como vestibular em várias universidades e institutos federais e também como certificação para a conclusão do Ensino Médio.

 

Na última edição do exame, o Enem recebeu 14.473 inscrições em cerca de 550 presídios – o índice de presença foi de 70%. Destes, 180 tentaram curso superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e o ProUni.

 

Caso sejam aprovados, os presos em regime semiaberto podem obter autorização judicial para estudar fora das grades. Ao todo, 4.046 detentos conseguiram nota para certificação em pelo menos uma área.

Mais conteúdo sobre:
EnemEnem 2011

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.