Enem tem 21,6% mais candidatos inscritos do que no ano passado

Ministério da Educação divulgou nesta segunda-feira dados de estudantes que confirmaram a participação no exame

Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2014 | 13h28

Atualizada às 18h28

BRASÍLIA - O número de inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio(ENEM) cresceu 21,6% entre 2013 e 2014, alcançando 8,7 milhões de estudantes. Com a adesão ao Sistema de Seleção Unificada (SiSu) de mais três universidades federais - Santa Maria, Rio Grande do Sul e Pernambuco - praticamente todo o sistema federal de ensino usa hoje a prova como forma de avaliação, o que ajudou a aumentar o interesse dos estudantes pela inscrição.

O crescimento das inscrições este ano foi um pouco menor do que no ano passado, quando chegou a 23,8%. O aumento foi geral em todos os Estados, mas o impacto foi maior onde as instituições federais aderiram este ano ou passarão a integrar o SiSu para o ano que vem. Em Pernambuco, as inscrições cresceram 22%. No Rio Grande do Sul, 15%. O maior aumento, de 29% foi no Distrito Federal, onde a Universidade de Brasília passou a integrar o sistema em janeiro deste ano. 

"Esse crescimento foi até mesmo acima da nossa expectativa, que era de 8 milhões de inscritos. Há um despertar em torno da questão da educação, especialmente com o crescimento das oportunidade oferecidas pelo governo federal", afirmou o ministro da Educação, Henrique Paim, citando a ampliação de vagas nas universidades federais, Programa Universidade para Todos, o aumento do Financiamento Estudantil e a criação do SiSuTec, de seleção para cursos técnicos.

Ainda para o processo seletivo de 2015, o MEC espera a adesão da Federal de Santa Catarina. Com isso, apenas três das 63 instituições federais não participarão do SiSu. Ainda assim todas usam o Enem pelo menos como parte do seu processo de seleção. Em janeiro de 2014, o número de vagas oferecidas foi de 171 mil. "Essas novas são instituições grandes, podemos esperar um aumento significativo no número de vagas", afirmou o secretário-executivo do ministério, Luiz Cláudio Costa.  

O crescimento de 1,5 milhão de inscritos fará com que o MEC aumente este ano o número de cidades e de locais para a prova, que acontece em 8 e 9 de novembro. 

A maioria dos inscritos, 4,9 milhões, já conclui o ensino médio em anos anteriores. Cerca de 1,7 milhão terminam a escola este ano - 1 milhão a menos do que o total de concluintes no País. Do total de inscritos, quase 4 milhões têm mais de 20 anos, sendo que 1,35 milhão está acima dos 30 anos. 

"Nós temos uma dívida educacional muito grande. Essa é uma boa notícia. As pessoas estão vendo que podem retomar os estudos. Isso é bom para o País", afirmou Paim. A maior parte dos inscritos se identificou como negro, 57,9%. De acordo com o ministro, a inscrição tende a refletir mais a sociedade brasileira e, também, o interesse pela política de cotas. Este ano, 25% das vagas serão para alunos de baixa renda e oriundos de escola pública, com um porcentual para negros reservado de acordo com sua representação na população do Estado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.