Enem: Cesgranrio não participou de licitação por falta de tempo

Segundo a organização, o longro processo de licitação diminuiria ainda mais o prazo para a realização da prova

Fabiana Cimieri, de O Estado de S. Paulo,

02 Outubro 2009 | 18h36

Com 38 anos de experiência na organização de concursos e responsável por todos os Enems anteriores, a Fundação Cesgranrio desistiu de participar da licitação deste ano por considerar que não haveria "tempo hábil" para organizar a prova. Em 2009, serão dois dias de exames, enquanto nos outros anos foi apenas um dia. Essa é a razão alegada pelo Inep para que a proposta do Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção (Conasse), de R$ 116,94 milhões, tenha sido aceita, embora no ano passado a Cesgranrio/Cespe tenha recebido R$ 53,9 milhões - menos da metade - para organizar o exame.   Veja também:  Blog da Renata Cafardo: Bastidores do vazamento do Enem  Exame deve ser aplicado na 1ª quinzena de novembro  MEC deve manter endereços das provas  PF mira impressão e distribuição das provas  Professores recomendam estudar; tire suas dúvidas  Na web, alunos lamentam e festejam cancelamento  Enem fraudado é disponibilizado para simulados pelo MEC  TV Estadão: Ministro da Educação fala sobre vazamento   A Fundação Cesgranrio foi a pioneira na formulação de vestibulares unificados no Rio e foi a responsável pela logística de todos os Enems anteriores. Em nenhuma das edições passadas, houve denúncias ou flagrantes de vazamentos ou impugnação dos resultados. Neste ano, por causa das mudanças na estrutura do Enem, anunciadas em março pelo Ministério da Educação, o processo licitatório começou mais tarde do que nos anos anteriores.   Em 2008, a primeira sessão de abertura de envelopes do processo licitatório aconteceu no dia 30 de maio. O consórcio Cesgranrio/Cenpes foi escolhido vencedor no dia 20 de junho. Em 2009, a sessão de avaliação da documentação foi no dia 17 de julho e o Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção (Connase)declarado vencedor no dia 20 de julho.   A Cesgranrio chegou a apresentar sua proposta e, assim como o Conasse, foi considerada habilitada. Mesmo assim, desistiu de prosseguir na concorrência. Os envelopes com a proposta técnica e preço nem chegaram a ser abertos.   "Escudada na experiência de 11 anos realizando o Enem, preferiu a Cesgranrio não continuar participando do processo, em razão de que uma prolongada disputa na licitação acabaria por diminuir, ainda mais, o prazo já exíguo para a realização do exame, tornando sua aplicação inexequível", informou a fundação, em nota.   Segundo profissionais que atuam nesse mercado, a Cesgranrio tem capacidade técnica e idoneidade inquestionáveis, enquanto que as integrantes do consórcio Consse - Consultec, FunRio e Instituto Cetro, foram abertas recentemente e têm experiência em provas menores e que não abrangem todo o território nacional. Além disso, todas as três tiveram recentemente concursos anulados ou sob investigação por suspeita de vazamento ou fraude nas provas.

Mais conteúdo sobre:
Enem Cesgranrio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.