Enem: alunos criticam as restrições criadas pelo Inep

Após o anúncio de que estão proibidos lápis, borracha, apontadores e relógios nesta edição do Enem, muitos estudantes passaram a reclamar. Para alguns, as restrições podem comprometer o desempenho na prova. Segundo o Inep , o objetivo é evitar fraudes.

Felipe Mortara, Estadão.edu

05 Novembro 2010 | 12h50

 

Leia também:

 

- Justiça Federal decide hoje se relógio será permitido no Enem

 

“No caso do relógio talvez seja um risco, mas não consigo imaginar como usariam um lápis para fraudar o Enem”, diz o vestibulando Matheus Lima Tulio, 17 anos. “Não tem o que colar no Enem. Já é uma avaliação sem fórmulas, mais interpretativa”, enfatiza Marina Carrara, 18 anos.

 

Para Beatris Guarita Dotta, de 20 anos, o problema também será o tempo. “Nos exames da Unesp não pode usar relógio, mas os fiscais avisam de meia em meia hora. No Enem, não.”

 

A educadora Daisy Kaunert de Souza, professora universitária há 22 anos e ex-consultora do MEC, critica as restrições. “Tem de tomar cuidado para evitar fraude, mas exageraram na dose”, opina. Para ela, até borracha é importante para uma boa prova: “Apagar e refazer faz com que a pessoa raciocine”, diz.

No ano passado, o espaço oferecido para rascunho foi considerado insuficiente. “Sempre escrevo e apago, fica uma bagunça. Vou me dar mal por causa disso”, acredita Caio Augusto Godoy, de 18 anos.

Mais conteúdo sobre:
Enem 2010 Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.