Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

Enem 2021: Responsável pela realização do exame no MEC é exonerado

O coronel aviador Alexandre Silva era diretor de avaliação básica no Inep e estava desde março no cargo

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2021 | 08h43

Em meio a uma crise para conseguir realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ainda este ano, o diretor da área responsável pela prova, Alexandre Gomes da Silva, foi exonerado nesta quarta-feira, 26. O coronel aviador havia assumido o cargo há pouco mais de dois meses e sofria críticas por não ter experiência em avaliação. Até agora, as inscrições para o Enem 2021 não foram anunciadas e servidores têm insistido que o prazo está cada vez mais curto para que a prova aconteça este ano.

Gomes da Silva, conhecido como GD, é próximo do ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ele era assessor parlamentar, lotado no gabinete do ministro, antes ser escolhido para o cargo de diretor de Avaliação da Educação Básica do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep). Foi o quinto nomeado para a diretoria mais importante do órgão durante o governo de Jair Bolsonaro.

Segundo o Estadão apurou, o militar não conseguiu lidar com os pedidos da área técnica - que enumera as dificuldades para realizar o Enem e também o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) ainda este ano - e as pressões políticas do Ministério da Educação (MEC). O governo tem insistido que o Enem será feito ainda em novembro, apesar diversos indícios de que há problemas.

O Estadão revelou que o próprio ministro mandou ofício a Paulo Guedes dizendo que não havia orçamento no MEC para fazer a prova. O custo do Enem 2021 foi estimado em R$ 700 milhões. Além disso, um documento interno do Inep afirmava que já havia datas em janeiro para o exame, dias 16 e 23. 

Servidores também indicam que se as inscrições não forem abertas até início de junho não haverá tempo para os processos de elaboração, impressão, distribuição e logística da prova. Para serem feitos com segurança, eles precisam durar 170 dias. Como o Estadão também revelou, o Inep ignorou alertas de gestão de risco que mostram índice elevado neste momento para o Enem 2021.

Isenções e edital do Enem 2021

O edital do Enem 2021, necessário para que todos os processo comecem, ainda não foi divulgado. Normalmente, ele sai em março e as inscrições começam em maio. No site do Inep o cronograma da prova, por exemplo, ainda é o de 2020.

Neste momento, o Inep apenas publicou o edital para que os alunos que precisam de isenção da taxa de inscrição e que faltaram ao exame no ano passado façam seus pedidos. Este processo vai até 25 de junho, o que impediria as inscrições de começaram antes disso.

Gomes da Silva, segundo o Diário Oficial, foi exonera "a pedido". O Inep divulgou nesta quarta-feira que ele será substituído por Anderson Soares Furtado Oliveira interinamente, servidor do Inep desde 2013. 


Sete ex-ministros da Educação divulgaram em abril uma carta alertando que o Inep estava "em perigo" no governo de Jair Bolsonaro. O texto dizia que o órgão "vem sendo gravemente enfraquecido e isso coloca em risco políticas públicas cruciais para gestores educacionais, professores, alunos, familiares, além de governantes de todos os níveis". A carta também mencionava que o Inep tem sido excluído pelo MEC das discussões sobre avaliação, justamente assunto para qual tem corpo técnico treinado.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.