Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Enem 2019: encerra prazo para que estudantes prejudicados peçam a recorreção da nota

Notificações devem ser enviadas ao Inep pelo e-mail enem2019@inep.gov.br, com nome completo e CPF

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2020 | 09h38

BRASÍLIA - O  Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) recebeu até as 10 horas desta segunda-feira, 20, relatos de estudantes que se sentiram prejudicados com a correção dos gabaritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019.

As notificações deviam ser enviadas ao órgão pelo e-mail enem2019@inep.gov.br, com nome completo e Cadastro de Pessoa Física (CPF).

O desempenho no Enem é critério para concorrer no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece 237 mil vagas em universidades federais em todo o País. O período de inscrições foi mantido: vai de terça-feira, 21, a sexta-feira, 24.

Até a manhã de sábado, 18, o MEC e o Inep não sabiam informar quantas pessoas poderiam ter sido atingidas, mas admitiram o erro em ao menos quatro provas de Viçosa, em Minas Gerais. O governo não descartou que as falhas podem ter ocorrido em outros Estados e afirmou que investiga o caso.

Um balanço sobre o número de estudantes atingidos deve ser divulgado no início da noite desta segunda, mas ainda não há um horário divulgado.

De acordo com o Inep, 3,9 milhões de pessoas fizeram as provas em 3 e 10 de novembro. A princípio o erro havia atingido apenas a correção de gabaritos do segundo dia, quando houve provas de Ciências da Natureza e Matemática. Neste domingo, 19, o Inep afirmou que a revisão será feita nos dois dias do exame.

Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o erro atingiu "alguma coisa como 0,1%" dos candidatos que prestaram o exame - o equivalente a 3,9 mil candidatos. Depois, Alexandre Lopes, presidente do Inep, falou que o erro poderia ter afetado "até" 1% - 39 mil pessoas. Ao fim, afirmou que "não chega a 9 mil".

Além do Sisu, a nota do Enem pode ser usada na seleção de outras universidades, incluindo instituições em Portugal, e também em programas de apoio do governo - como o Programa Universidade para  Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudo parciais e integrais em universidades particulares, e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que financia o pagamento de mensalidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.