Enade: 30% dos cursos de ensino superior têm desempenho insuficiente

Graduações que tiraram nota 1 e 2 - a máxima é 5 - no exame poderão ter seus vestibulares suspensos, diz Mercadante; veja lista completa com resultados

Rafael Moraes Moura , O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2013 | 14h18

Atualizado às 19h01

BRASÍLIA - O Ministério da Educação divulgou na tarde desta segunda-feira, 7, a lista com os resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), mostrando as notas dos  7.228 cursos de 1.646 instituições de ensino superior avaliados na edição de 2012. Participaram 536 mil estudantes concluintes, do penúltimo e último semestre de seus respectivos cursos, e cerca de 30% deles apresentaram resultado insatisfatório, com notas 1 e 2 (de um teto de 5), informou na manhã o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Veja a tabela completa neste link: http://migre.me/giNkb

O Enade é um teste do governo federal que serve para avaliar redes de ensino, públicas e privadas. AA cada três anos, o Ministério da Educação (MEC) aplica o Enade para um mesmo conjunto de cursos. Ao todo, dez cursos de bacharelado (administração, ciências contábeis, ciências econômicas, comunicação social, design, direito, psicologia, relações internacionais, secretariado executivo e turismo) e seis que conferem diploma de tecnólogo (gestão comercial, gestão de recursos humanos, gestão financeira, logística, marketing e processos gerenciais) foram avaliados no Enade 2012.

"Conseguimos que quase todos os estudantes que estão sendo avaliados participassem da prova, o que é muito importante para os seus respectivos cursos. O sistema avançou em direção à qualidade, mais instituições, de forma expressiva, na nota 5, na nota 4, e na nota 3. Ainda temos uma parcela de cerca de 30%, principalmente faculdade isoladas, com nota insuficiente. Vamos ser rigorosos na exigência de qualidade", afirmou Mercadante. "O ensino público continua bem superior ao privado, mas tivemos neste ano grande crescimento em direção à excelência nas privadas."

Em 2009, ano em que o mesmo grupo de cursos foi avaliado, o porcentual de cursos com desempenho abaixo da média (notas 1 e 2)  foi de 24,9%. Para o ministro, no entanto, o aumento na quantidade de cursos com desempenho insatisfatório deve-se à diminuição na quantidade de cursos sem conceito avaliados pelo Enade: em 2009, 26,6% dos cursos avaliados não apresentaram uma nota final, em virtude da não formação de turmas ou boicote dos estudantes. A quantidade de cursos sem conceito diminuiu para 1,8% na edição de 2012 do Enade.

Os cursos que tiraram nota 1 e 2 poderão ter seus vestibulares suspensos, observou o ministro. O desempenho global dos estudantes no Enade (a prova e o questionário respondido pelos alunos) tem um peso da ordem de 70% na avaliação final no Conceito Preliminar de Curso (CPC), que é um indicador prévio da situação dos cursos de graduação no País. O MEC pretende divulgar em novembro o CPC dos cursos que participaram do Enade 2012. O Conceito Preliminar de Curso é composto por diferentes variáveis, como a qualidade de infraestrutura, recursos didático-pedagógicos, corpo docente e o próprio Enade.

A quantidade de cursos com conceito 5 (nota máxima) no Enade aumentou de 1,0% para 5,4%, entre 2009 e 2012. No mesmo intervalo, os cursos com conceito 4 saltaram de 9,7% para 19% e os cursos com conceito 3, de 37,8% para 43,9%.

Enade 2013. O próximo Enade vai ser aplicado no dia 24 de novembro. Deverão participar da prova cerca de 200 mil estudantes de 4.916 cursos da área de ciências de saúde e agrárias. Pela primeira vez, a USP participará em caráter experimental do exame, em caráter amostral.

Para evitar boicote dos estudantes, o MEC vai passar a exigir que os alunos que forem submetidos ao exame fiquem pelo menos uma hora na sala de prova durante a aplicação.

Mais conteúdo sobre:
Enade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.