Empresas dos EUA adotam normas para lanches em escolas

As guloseimas vendidas nas escolas dos Estados Unidos terão menos gordura, açúcar e sal, de acordo com a mais recente medida de repressão à "junk food" adotada após pressão exercida pelo ex-presidente Bill Clinton. Cinco meses após um acordo parecido, voltado para a venda de refrigerantes, Clinton e a Associação Americana de Cardiologia anunciaram um acordo com diversas importantes empresas do setor de alimentação para tornar os lanches vendidos nas escolas mais saudáveis."Isto é voluntário", disse Clinton. "Eles não precisam fazer. Mas reconhecem o desafio que enfrentamos, e estão nos ajudando a dar o primeiro passo". O ex-presidente afirma que a crise de obesidade prejudica a economia americana, ao elevar os gastos com saúde.O acordo envolve Kraft Foods Inc., Mars Inc., Campbell Soup Co., Groupe Danone SA and PepsiCo Inc., e define normas para o conteúdo de sódio, gordura, açúcar e calorias para os produtos oferecidos nas máquinas de venda das escolas, cantinas e lojas. Essas empresas produzem guloseimas como o chocolate M&M, iogurtes, barras de cereais, sopa enlatada e batatas fritas. Sob as normas, a maioria dos alimentos não poderá ter mais de 35% de suas calorias provenientes de gordura, nem mais de 10% de gordura saturada. haverá um limite de 35% de açúcar no peso total do produto.

Agencia Estado,

06 de outubro de 2006 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.