Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Empresas aumentam utilização de plataforma online para capacitações

Companhias assumem especialização dos funcionários e cresce adoção de cursos a distância; flexibilidade é vantagem

Guilherme Soares Dias, Especial para o Estadão.edu

24 Fevereiro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O acesso cada vez maior aos meios digitais tem aumentado a oferta de cursos e capacitações corporativas por meio de plataformas online. Depois do boom de criação das universidades corporativas no fim da década de 1990, as empresas passam agora a utilizar sites para aprimorar a formação de seus funcionários. Só em 2013, o crescimento de matrículas em cursos não presenciais de capacitação saltou 75%, na comparação com 2012, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), que obteve resposta de 281 instituições. O aumento da oferta ocorre ano a ano e a perspectiva da Abed é a de que o expressivo desempenho se repita nos levantamentos referentes a 2014 e a 2015. 

Uma das explicações para o crescimento do setor é a de que a modalidade online facilita o acesso aos cursos para as grandes empresas, que geralmente têm filiais espalhadas por várias cidades do País. “Elas utilizam a metodologia para orientação do dia a dia e distribuição de conhecimentos”, diz o vice-presidente da Abed, Stavros Panagiotis Xanthopoylos. Ele acrescenta que a modalidade a distância possibilitou a unificação da linguagem e uma maior acessibilidade ao conhecimento, além de facilitar a execução dos cursos. “É uma forma de as empresas trabalharem a formação continuada e resolverem soluções reais, como a formação para a tomada de decisão, com base na mesma estrutura.” 

Universidade corporativa. É o caso do Banco do Brasil, que lançou sua universidade corporativa há 12 anos e passou a adotar o método online em 2013. Já no ano passado, 75% das 66 horas que os funcionários passam, em média, realizando cursos foram na plataforma digital. Segundo o diretor de Gestão de Pessoas do BB, Carlos Netto, os funcionários são capacitados a partir da função que exercem. “Um gerente de relacionamento, por exemplo, tem trilhas de conhecimento na sua área de atuação.” Em 2014, 34.200 dos 114.000 funcionários do banco receberam certificados.

Abrangência. No BB, a capacitação ajuda a galgar novos postos. Depois de oito anos, Pedro Henrique Westphalen, de 28 anos, é gerente de Relacionamento Estilo, após fazer pelo menos duas capacitações por mês. “São formações abrangentes que ajudam na formação sobre as áreas nas quais atuo, desde o atendimento a clientes até novos produtos”, afirma. Westphalen sonha agora em ser gerente de uma agência, chefiando uma equipe de gerentes de contas. “A plataforma é um forma de me preparar. Nela, tenho praticidade para fazer cursos e trabalhar ao mesmo tempo.” 

As mudanças da era digital foram se refletindo nos cursos oferecidos ao longo dos anos. Dos CDs distribuídos no fim da década de 1990 até a interatividade e a linguagem das redes sociais a partir de 2013, as plataformas foram sendo adaptadas às necessidades das empresas. “Desenvolvemos plataformas para a criação de cursos e verificamos essas mudanças da informação simples para a interatividade com vídeos, tutores e colaboração dos alunos”, afirma o gerente-geral da Ciatech, Rodrigo de Godoy. Ele defende que, hoje, a modalidade aumenta não só a praticidade e acessibilidade, mas também a absorção do conteúdo. “É mais dinâmico aprender dessa forma”, diz.

No Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), há cursos gratuitos para pequenos empresários. “Temos proposta de conhecimento autoinstrutivo. O aluno aprende interagindo com o próprio curso. A intenção não é ensinar conceitos, mas como fazer. A linguagem é direta e pretende dar instruções como técnicas de finanças ou estratégias de marketing”, diz a gestora de Educação a Distância do Sebrae, Claudia Brum. Os programas de cursos rápidos podem ser feitos após inscrição no site em qualquer época do ano. As capacitações tiveram 56.100 inscritos em 2014 e a perspectiva é a de que atinjam 100 mil em 2015, após reformulação do site (sebraesp.com.br/ead). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.