TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Empresário diz que houve agressão a estudantes em colégio do PR

Escola Guido Arzua, no bairro Sítio Cercado, zona sul de Curitiba, havia sofrido tentativa de desocupação forçada por pais que queriam a volta às aulas

Pablo Pereira, Enviado especial

29 Outubro 2016 | 03h00

CURITIBA - No fim da tarde de terça-feira, o empresário Carlos Calixto Gomes foi à Escola Guido Arzua, no bairro Sítio Cercado, zona sul de Curitiba, que havia sofrido tentativa de desocupação forçada por pais que queriam a volta às aulas na segunda-feira. Irritado com a iniciativa da vizinhança, ele criticou a decisão. 

“O que aconteceu aqui foi uma agressão, uma violência contra os meninos. E foi a diretora da escola quem convocou delinquentes para vir aqui. A gente mora aqui e sabe quem foi que veio pressionar os meninos”, afirmou Calixto Gomes, que tem uma filha na ocupação. O empresário Jhones Falcão, que tem três filhos na escola, concordou. “Isso é uma forma de democracia. Eles têm todo o direito de protestar contra a baixa qualidade do ensino e contra essas mudanças aí”, disse. 

A diretora do colégio, Vanda Aparecida Torá dos Santos, porém, se defendeu. Na quarta-feira pela manhã, ela preparava a transferência dos alunos cujos pais, revoltados, tentaram dominar a escola na segunda-feira pela manhã.

Alegando que não teve nada com a busca de desocupação, Vanda disse ao Estado que a tentativa de retomada foi uma iniciativa de pais que não concordam com a falta de aulas na escola. “Os alunos não têm culpa de nada. Eles foram envolvidos. Não sei qual movimento, mas a situação é bastante preocupante. E não é ocupando que vão resolver as coisas.” Ela afirmou ainda que o esquema montado para prosseguir com aulas em outro local dependia da autorização do governo estadual para conseguir transporte dos alunos contrários à ocupação.

Assalto. Já no bairro Cruzeiro, em São José dos Pinhais, a tensão aumentou por volta de 22 horas de quarta-feira. Três homens armados pularam um muro do Colégio Juscelino Kubistchek e assaltaram os 30 alunos na ocupação. 

 

 

Mais conteúdo sobre:
CURITIBA Falcão Cruzeiro São José

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.