Divulgação
Divulgação

Em Tatuí, alunos de conservatório fazem ato contra demissões

Na segunda-feira, 18, cerca de cem manifestantes saíram em marcha pelas ruas da cidade com faixas e nariz de palhaço

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

20 Maio 2015 | 03h00

SOROCABA - A demissão de ao menos 28 professores e músicos do Conservatório Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí, interior de São Paulo, causa protestos na cidade conhecida como “capital da música”. A escola, mantida pelo governo estadual, é referência no ensino da música na América Latina. Os alunos estão em assembleia permanente. Nesta segunda-feira, 18, cerca de 100 manifestantes saíram em marcha pelas ruas da cidade. O grupo levava faixas e muitos vestiam nariz de palhaço.

A manifestação, acompanhada pela Polícia Militar e integrantes da Guarda Municipal, foi pacífica. Algumas pessoas cantavam, outras tocavam instrumentos. Novos protestos estão sendo convocados pelas redes sociais para chamar a atenção dos 108 mil moradores. Em fevereiro, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) publicou decreto prevendo corte de R$ 2 bilhões no orçamento levando em conta a contenção de despesas. O orçamento do conservatório para 2015, de R$ 25,7 milhões, já é inferior ao de 2014, levando em conta a inflação, e pode sofrer novas restrições.


De acordo com representantes do grupo, as demissões já afetaram a estrutura pedagógica do conservatório. “Foram para a rua alguns professores que eram os únicos para alguns instrumentos e respondiam por áreas que não terão substitutos. Com certeza os alunos e o conservatório serão prejudicados”, disse o estudante Marcos Martins, da comissão de alunos.

Segundo ele, um levantamento indicou que ocorreram 35 demissões, entre professores e músicos. Além disso, concertos e atividades culturais complementares ao ensino estão suspensos. Durante o protesto, foi divulgado um manifesto pedindo mais transparência na instituição, uma das escolas de música mais respeitadas do País, e protestando contra o sucateamento da cultura no Estado.

Em nota, a direção do conservatório informou terem ocorrido 28 dispensas. Já a Secretaria da Cultura confirmou esse número de demissões e informou que o núcleo pedagógico da instituição foi mantido. Ainda segundo a Secretaria, o sistema de bolsas de estudos não será afetado. A bolsa performance para 144 estudantes já teve o resultado divulgado e os alunos receberão auxílio de R$ 750 a R$ 1 mil, conforme a modalidade. O Conservatório de Tatuí mantém 51 cursos para formação de instrumentistas, atores e profissionais de luteria - fabricação de instrumentos. A escola tem 2,3 mil alunos.

Mais conteúdo sobre:
TatuíGeraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.