Divulgação
Divulgação

Com alunos em greve, Unicamp orienta professores a suspender atividades

Universidade encaminhou nota em que pede a docentes para não 'insistir ou discutir' caso haja manifestações ou constrangimentos

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

02 Agosto 2016 | 03h00
Atualizado 02 Agosto 2016 | 09h45

SÃO PAULO - A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) orientou seus professores a não "insistir ou discutir" e cancelar ou suspender suas atividades acadêmicas caso sejam impedidos por movimentos grevistas. Trabalhadores e alunos da universidade estão em greve desde maio e fizeram piquetes para evitar que aulas acontecessem. 

As aulas do segundo semestre letivo foram retomadas nesta segunda-feira, 1º. No primeiro semestre, os professores chegaram a combinar aulas em locais sigilosos para manter o cronograma de atividades e alguns deles chegaram a gravar vídeos para documentar invasões às salas de aula. Os grevistas alegam que todas as suas ações foram aprovadas em assembleias estudantis e sindicais.

"Nas dependências onde eventualmente ocorrerem manifestações ou constrangimentos, pedimos a compreensão dos docentes para que não haja insistência ou discussão, suspendendo ou cancelando a atividade naquela ocasião, e comunicando o fato à respectiva Coordenação de Graduação ou de Pós-Graduação. Oportunamente, será buscada uma solução necessária e plausível", informou a reitoria aos professores para a volta às aulas. 

Segundo a reitoria, a orientação é para que as atividades didáticas sejam reiniciadas com a garantia das "condições adequadas de funcionamento". "É importante reafirmar enfaticamente o repúdio às situações de enfrentamento que nossa instituição testemunhou recentemente, e a necessidade de que os valores da vida universitária sejam rápida e  fortemente resgatados", disse a universidade.

No dia 11 de julho, uma briga entre um professor e alunos da Unicamp terminou na delegacia. O docente  de Física Ernesto Kemp tentava aplicar uma prova, e os alunos o impediam de entrar na sala, alegando que o conteúdo da avaliação não foi ensinado por causa das suspensão das atividades acadêmicas em função da greve. Duas alunas prestaram queixa na delegacia por lesão corporal. 

Protesto. Professores e alunos contrários à greve marcaram para a manhã desta terça-feira, 2, um protesto em frente à reitoria da Unicamp. Eles chamaram a manifestação de "greve pelo direito de não fazer greve". 

O professor do Instituto de Matémática, Estatística e Computação Científica da Unicamp Serguei Popov, um dos que teve  interrompida pelos grevistas, disse que o ato é para mostrar que ninguém é obrigado a aderir à greve. "Algumas pessoas acham que dentro da universidade não existe o Estado democrático de direito. Nós queremos mostrar à reitoria e a esses grupos que isso não é verdade, não somos obrigados a fazer greve", disse.

Para o professor, a orientação da reitoria para que as atividades sejam canceladas em caso de manifestação mostra que a instituição não se posiciona contra os abusos que aconteceram. "A universidade está comunicando que não vai fazer nada frente a esse abusos. É um absurdo porque os professores continuam a ser impedidos de dar aula. Hoje (segunda-feira) isso voltou a acontecer", disse Popov. 

Greve. Os alunos chegaram a ocupar a reitoria da universidade por 59 dias, eles reivindicavam a adoção de cotas sociais e raciais e políticas de permanência estudantil. Parte das reivindicações foi atendida pela reitoria, e agora eles mantêm a greve para que a instituição altere o calendário acadêmico para a reposição das aulas e não puna os alunos grevistas - um aluno responde processo administrativo por ter invadido uma sala de aula. 

"Judicializaram a nossa greve, nós temos direito de fazer paralisações e não sermos punidos. E queremos a reposição correta e justa das aulas", disse Karolina Moraes, representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE).

A reitoria informou que, para as unidades de ensino afetadas pelo movimento grevista, foi apresentado um calendário "flexibiliza" as datas para a "solução das perdas didáticas do 1º semestre". A universidade não informou como será a reposição, nem quando ocorrerá. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.