Em greve, professores de SP protestam em frente ao Estádio do Morumbi

Docentes exigem cumprimento da Lei Nacional do Piso; eles vão decidir em assembleia se continuam paralisados

Paulo Saldaña, de O Estado de S. Paulo,

16 Março 2012 | 15h18

SÃO PAULO - Professores da rede estadual de ensino fazem neste momento uma manifestação na Praça Roberto Gomes Pedrosa, em frente ao Estádio do Morumbi, na zona sul. O ato estava marcado para começar às 14 horas em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, localizado a cerca de 1,5 km do estádio, mas a polícia cercou o local. Cerca de 50 ônibus com docentes já chegaram à praça e o sindicato da categoria (Apeoesp) estima que cerca de 50 mil professores deverão comparecer ao protesto. A Polícia Militar não deu uma estimativa de quantas pessoas estão lá.

 

A CET irá interditar a Avenida Jorge João Saad no trecho entre a Avenida Francisco Morato e o Estádio do Morumbi.

 

Os professores participam de um movimento nacional de greve que cobra respeito à Lei do Piso Salarial. A principal reivindicação em São Paulo é em relação a jornada de trabalho na qual, segundo a lei, 33% da jornada deve ser reservada para atividades extraclasse.

 

A Secretaria Estadual de Educação diz que já atende este porcentual, mas o sindicato nega. Por enquanto ainda são esperados outros ônibus. Nesta assembleia será decidido se a paralisação continua ou não. A Apeoesp afirma que hoje 80% dos professores cruzaram os braços e inclusive algumas escolas foram fechadas por falta de docentes. Já a secretaria diz que apenas 5% dos professores aderiram ao movimento.

Mais conteúdo sobre:
Greve Professores São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.