Em assembleia professores decidem pela continuidade da greve no RJ

Categoria reivindica reajuste emergencial de 26% em relação ao piso, que hoje é de R$ 610,00

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

15 Junho 2011 | 03h56

SÃO PAULO - Os professores da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro decidiram, em assembleia realizada na tarde de terça-feira, 14, no Clube Municipal, na Tijuca, zona norte da capital fluminense, dar prosseguimento à greve iniciada no último dia 7.

A categoria, que afirma ter adesão de 70% dos professores, contra os 2% declarados pelo Estado, reivindica reajuste emergencial de 26% em relação ao piso, que hoje é de R$ 610,00; incorporação imediata da totalidade da gratificação do Nova Escola (prevista para terminar somente em 2015); e descongelamento do Plano de Carreira dos Funcionários Administrativos da educação estadual.

O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE) afirma que, na sexta-feira, 17, a categoria realizará, a partir das 10 horas, uma passeata da Candelária até a sede da Secretaria Estadual de Planejamento. A próxima assembleia será segunda-feira, 20, às 14 horas, também no ginásio do Clube Municipal. Até lá. O Sindicato espera por uma contraproposta do governo.

O governo do Estado afirma que as reivindicações ainda estão sendo analisadas pelas secretarias da Fazenda e do Planejamento. A rede estadual de ensino do Rio possui 1.457 estabelecimentos, cerca de 1,1 milhão de alunos e 75 mil professores.

Mais conteúdo sobre:
greve professor rio de janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.