Eles querem feedback

Pesquisa revela jovens ansiosos, que estão em busca de ascensão rápida

Carolina Stanisci,

22 Agosto 2010 | 00h41

Presidente da empresa de pesquisa Bridge Research, Renato Trindade mergulhou no universo da Geração Y brasileira no fim de 2009. Nesta entrevista, ele fala sobre as conclusões da pesquisa, na qual ouviu 800 pessoas de 18 a 30 anos, em São Paulo, Porto Alegre e no Rio. 

1

 Como é esse conflito de gerações nas empresas?

Quando começou a suceder os baby boomers (nascidos depois da 2ª Guerra) a Geração X (nascidos entre 1965-80) questionou parâmetros e procedimentos. Todo mundo falava, por exemplo, que não tinha que estar no trabalho para trabalhar. Só que a Geração X começou questionando, depois abaixou a cabeça. A revolta deu em nada. Hoje, trabalhamos mais que os baby boomers.

 

E quem são os jovens da Geração Y que vão suceder os X?

São pessoas nascidas entre 1978/1980 e 1990/1995 – não há consenso sobre quando começa ou termina. Enquanto a Geração X nasceu com o computador e aprendeu a mexer com a internet, o Y nasceu com a internet e vai ter que aprender alguma outra coisa que está vindo. O Y é menos profundo, mais abrangente. Não dá para dizer que é superficial, pode parecer juízo de valor negativo. E também é ansioso. Quer feedback no trabalho a todo momento e precisa de pessoas dando limites para ele. O X desenvolve a carreira em degrau; o Y, em ladeira.

Essa ansiedade toda atrapalha no trabalho?

O Y dá muito trabalho para a Geração X. O Y quer saber: ‘Me fala mais, para onde eu devo ir?’. E, ao mesmo tempo, foge de responsabilidades. Acha que não é peça ativa na sociedade. Para ele, a política, por exemplo, é um lixo “que esse pessoal aí tem que consertar”.

Mas a Geração X já não era criticada por ser alienada?

Piorou, definitivamente.

 

Existe diferença entre as classes sociais da Geração Y?

Independentemente da classe social, eles trocam de emprego facilmente. Um jovem da Geração Y que, de repente, vê oportunidade de ir para o exterior, vai, mesmo que isso interrompa uma carreira promissora. Esse é o Y rico. O pobre não terá dinheiro para ir ao exterior, mas pode migrar de um trabalho para outro buscando remuneração melhor.

Em quem o Y se inspira?

Enquanto para o X o influenciador é um mentor, uma pessoa envolvida com ele diretamente, como o chefe, para o Y o mentor é um modelo, figura de destaque. Não é necessariamente alguém que ele conheça.

Mais conteúdo sobre:
Estadão.edu trainee feedback jovens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.