Eleições no DCE-USP sob suspeita

Uma urna foi impugnada por quebra de lacre e outras duas teriam sido fraudadas

Paulo Saldaña, Especial para o Estadão.edu

30 Novembro 2009 | 16h23

A eleição para a nova gestão do Diretório Central de Estudantes da Universidade de São Paulo (DCE-USP) foi colocada sob suspeita por denúncias de fraude feitas por estudantes. Uma urna, do prédio da Faculdade de Economia, Admnistração e Contabilidade (FEA), foi impugnada por quebra de lacre.  Uma segunda urna, que estava no prédio da Escola Politécnica, esteve sob suspeita durante o processo, mas a comissão eleitoral decidiu por validar seus votos. A atual gestão, Nada Será Como Antes, defende que não houve fraude. O resultado oficial foi divulgado neste final de semana e deu vitória à chapa Para Transformar o Tédio em Melodia, com 2.500 votos. A chapa Reconquista ficou em segundo, com uma diferença de 55 votos. "A Reconquista acredita que houve fraude no processo eleitoral", afirma Rodrigo Rodrigo Souza Neves, no 5º ano de História e integrante da chapa. Considerada "a terceira via" da eleição na USP, o grupo era apontado como um dos favoritos.  A urna impugnada reunia cerca de 100 votos e, em tese, poderia mudar o resultado da eleição. Um integrante da chapa Reconquista, que não quis se identificar, denuncia que uma terceira urna, no campus de São Carlos, no interior paulista, teria sido fraudada. "Ela sumiu e depois apareceu com pelo menos 32 votos sem a assinatura de mesários, como manda o regimento", diz ele. O estudante defende que a chapa Reconquista é a única apartidária. "A chapa que apareceu como vencedora tem ligação com o PSOL, que também tem maioria no Conselho de Centros Acadêmicos. Eles vão forçar a barra".  No dia 12 de dezembro haverá reunião do Conselho de Centros Acadêmicos (CA) para a discussão do processo eleitoral. Está marcado para o mesmo dia a posse da nova chapa. A gestão atual é quem comanda o conselho, que deve reunir o mínimo de 24 CAs para a discussão. "A chapa que ficou em segundo (Reconquista) é a com quem temos menos afinidade política, mas discutiremos todo o processo", disse Débora Manzano, integrante da gestão atual. A chapa Para Tranformar o Tédio em Melodia divulgou nota em que reafirma a vitória. "A chapa derrotada tem feito um esforço para deslegitimar o pleito inventando boatos e fazendo denúncias infundadas", diz trecho da nota.Atualizada às 19h54 do dia 2 de dezembro de 2009

Mais conteúdo sobre:
pontoeduUSPdceuniversidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.