Eleição da USP ocorre em clima tranquilo no interior

No campus de Pirassununga, 11 dos 23 votantes já tinham feito sua escolha logo pela manhã

TATIANA FÁVARO, Agencia Estado

20 Outubro 2009 | 12h43

O clima é de tranquilidade nos campi de Piracicaba e Pirassununga da Universidade de São Paulo (USP), que realiza o primeiro turno da eleição para seu novo reitor. Dos 91 votantes da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), 26 tinham comparecido à mesa até as 10h45. Embora o modelo atual para a escolha do reitor venha sendo questionado por representantes de alunos, funcionários e até mesmo por docentes, a votação segue pacífica em Piracicaba. "Tudo calmo, sem protestos", afirmou o professor Gerhard Bandel, mesário da eleição na Esalq.

Assista a vídeo com debate dos candidatos

Uma das críticas feitas ao atual modelo é a baixa representatividade: só um em cada três professores da USP vota, um em cada 220 funcionários e um em cada 483 alunos. Ao todo, 1.925 pessoas têm direito a voto hoje. Dos 91 votantes em Piracicaba, 81 são docentes, três são funcionários e sete, alunos. O campus tem 238 professores, 2.006 estudantes na graduação, 1.062 na pós-graduação e 529 funcionários.

Em Pirassununga, 11 dos 23 votantes já tinham feito sua escolha até o mesmo horário. "Aqui é uma unidade pequena, então é muito tranquilo", afirmou a professora Elisabete Viegas, presidente da mesa de recepção de votos na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos. O primeiro turno das eleições começou às 9 horas e vai até as 13 horas. A apuração será realizada a partir das 20 horas, em São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
educação eleição reitor USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.