<!-- eestatísticas -->Unicef conta 121 milhões de crianças sem escola no mundo

Cerca de 121 milhões de crianças no mundo não vão à escola, 65 milhões das quais são meninas, o que aumenta a probabilidade de que, quando adultas, morram durante o parto ou vivam na pobreza, segundo o relatório do Unicef sobre a Situação Mundial da Infância. ?Não superaremos nunca a pobreza, a mortalidade infantil, a aids e outras doenças, se não garantirmos que todas e meninas e todos os meninos tenham assegurado seu direito à educação básica?, disse a diretora-executiva do Unicef, Carol Bellamy.Como mães, as mulheres escolarizadas têm mais probabilidade de ter bebês saudáveis e de garantir que seus filhos estudem. O analfabetismo e a ignorância fazem que muitas mulheres não saibam como espaçar os períodos de gravidez, proteger-se e proteger os filhos de doenças. ?Quando uma menina não tem os conhecimentos para enfrentar a vida, o que pode aprender na escola, há efeitos imediatos e de longo prazo. Essa garota se expõe a muito mais riscos do que as que têm escolaridade e as conseqüências são transferidas para a geração posterior?, diz o relatório.A educação básica para todos e a igualdade entre meninos e meninas estão entre os objetivos de desenvolvimento para o milênio que têm de ser alcançados até 2015 com os quais 191 países da ONU se comprometeram. Esses objetivos estão cada vez mais distantes de ser atingidos se mais meninas não forem para a escola, principalmente na África, na Ásia ou no Oriente Médio, conforme o documento.O Unicef apelou aos políticos e outros líderes para tornar a educação das meninas o núcleo de seus esforços de desenvolvimento e garantir a educação básica gratuita e universal. Também chamou a atenção para a necessidade de aumentar os fundos internacionais para a educação, setor que precisaria de US$ 60 bilhões entre este ano e 2015.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.