<!-- eestatísticas -->Brasil está quase no fim da fila da alfabetização, alerta estudo da Unesco-OCDE

Brasil tem uma economia 175 vezes maior do que a da Macedônia e 160 vezes a da Albânia mas, quando o assunto é educação, há uma surpreendente semelhança com os dois. Cerca de 50% dos alunos brasileiros, macedônios e albaneses na faixa dos 15 anos estão abaixo ou no chamado nível 1 de alfabetização, uma marca estabelecida pela Unesco que classifica os estudantes que conseguem apenas lidar com tarefas muito básicas de leitura. Numa escala sobre níveis de compreensão de leitura englobando 41 países, o Brasil está quase no fim da fila: 37ª posição - à frente (e não muito) somente de Macedônia, Albânia, Indonésia e Peru.As constatações surgiram de uma pesquisa sobre alfabetização que a Unesco e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgam nesta quarta-feira na Inglaterra, com o título de Literacy Skills for the World of Tomorrow (Alfabetização para o Mundo de Amanhã). O Brasil e outros 14 países emergentes são analisados ao lado dos 30 países integrantes da OCDE ? na maioria, mais desenvolvidos. O estudo é baseado nas informações colhidas pelo Programa Internacional de Avaliação do Estudante (Pisa), feito em 2000, que entrevistou entre 4,5 mil e 10 mil alunos em cada país.Os melhoresEntre as nações cujos alunos têm a melhor capacidade de leitura, a Finlândia aparece em primeiro lugar. Em seguida estão: Coréia do Sul, Hong Kong (China), Canadá e Japão. A França ocupa a 15ª posição e os Estados Unidos, a 16ª.A receita de sucesso dessas nações não se limita ao poder de investimento público na Educação, diz o responsável pela área de pesquisas da Unesco, Albert Motivans, do Instituto de Estatísticas da instituição. "Investimento em Educação é parte da equação, mas os países que têm os melhores desempenhos são os que têm menos desigualdade", disse ele por telefone, de Montreal, no Canadá. "O dinheiro para educação importa, mas também importa como ele é distribuído entre a população."A Itália, por exemplo, investe mais do que o dobro em educação do que a Coréia, mas está bem atrás em termos de desempenho - não só com relação à leitura, mas também à capacidade de compreensão matemática e científica, registrada entre os alunos do país asiático.Só quantidadeSobre a posição do Brasil, a pesquisadora do Instituto Fernand Braudel e professora titular da Universidade de São Paulo (USP) Maria Luíza Marcílio se diz espantada. "Estamos piores que países da América do Sul mais pobres do que nós", comenta. "Houve uma expansão de matrícula nos últimos anos nunca vista em outros governos, mas essa expansão quantitativa não pôde ser acompanhada pela melhora qualitativa."Durante o governo Fernando Henrique Cardoso, o porcentual de crianças e jovens matriculados no ensino fundamental chegou a 96% - uma elevação de sete pontos em oito anos. "O nosso grande desafio é garantir inclusão e qualidade", afirma a secretária de Educação Fundamental do Ministério da Educação, Maria José Feres. Para isso, o governo planeja adotar uma série de medidas, como valorização e formação dos professores, incentivo aos sistemas estaduais de avaliação dos alunos e ampliação do ensino fundamental para nove anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.