<!-- eeducação -->SP cria faculdade sem vestibular que terá 4.160 vagas

A Prefeitura de São Paulo e o Ministério da Educação lançaram uma faculdade sem vestibular, que terá sede na zona leste da cidade. O documento de criação do Complexo Educacional da Zona Leste foi assinado na quarta-feira pela prefeita Marta Suplicy (PT) e pelo ministro Cristovam Buarque. O projeto prevê a oferta progressiva de vagas em cursos técnicos e de ensino superior a partir de 2005, chegando a 4.160 vagas até 2008. ?O diferencial é que a instituição já nasce com o viés da inclusão social?, afirmou o ministro.O projeto receberá R$ 1,5 milhão da União para o início das obras, que começam já neste ano, e outros R$ 5 milhões em 2005. A Prefeitura fará a complementação financeira, mas o valor não foi divulgado. Desde o anúncio, no início deste ano, da construção do câmpus da Universidade de São Paulo (USP) na zona leste, a prefeita já havia manifestado sua vontade de criar cursos de ensino superior na região.O complexo vai começar a funcionar em um prédio anexo ao Hospital Municipal de Cidade Tiradentes, onde serão oferecidos os cursos da área de Biomédicas. Um dos aspectos do caráter inclusivo da instituição, segundo a prefeita, é o fato de os alunos serem formados para trabalhar na rede pública de saúde na região. Além disso, o processo eletivo será seriado, com provas a cada ano do ensino médio. O sistema já existe hoje na Universidade de Brasília (UNB) e foi criado na gestão de Cristovam como reitor.Para 2006 está previsto o início do funcionamento de uma unidade a ser construída em Itaquera, para cursos de Engenharia, Administração e Nutrição, entre outros. A instituição terá parceria com o Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), para reproduzir seu modelo de ensino em cursos técnicos, e a Prefeitura quer se associar a instituições como Senai e Senac. ?Esperamos também a colaboração de universidades públicas?, disse Marta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.