<!-- eeducação -->CEUs fazem 90 dias com problemas e soluções

A piscina no Centro Educacional Unificado (CEU) Perus está com infiltração e ninguém pode usá-la. Na unidade Rosa da China, a biblioteca foi fechada e o cinema continua sendo uma promessa. A padaria nunca começou a funcionar, a exemplo do que ocorre no CEU Jambeiro.Noventa dias após a inauguração dos primeiros CEUs, o Estado foi verificar o que está funcionando e o que não está. Descobriu problemas em todas as unidades, mas também histórias de adultos que recomeçaram a vida em uma nova profissão e de crianças que estão tendo a chance de aprender música, dança e esportes.Sem oficinasNo CEU Rosa da China, em Sapopemba, zona leste, alunos e professores ainda esperam para ver todos os equipamentos funcionando. Inaugurada em 19 de agosto, a unidade ainda não deu início às aulas das oficinas e o cinema não foi aberto."Já estou matriculada para fazer dança, música, iniciação esportiva e natação, mas ninguém diz quando as oficinas vão começar", diz Natália da Silva, de 11 anos, aluna da 5.ª série. "Espero que seja antes do fim do ano."Segundo a Secretaria Municipal da Educação, o projeto arquitetônico do teatro e do cinema de algumas unidades teve de ser modificado, o que atrasou o início da exibição de filmes. A pasta informou que o início das oficinas está ocorrendo gradualmente.SegurançaProfessores e funcionários têm outras reivindicações: estacionamento e mais segurança. Além de ser difícil conseguir uma vaga para parar, o furto de veículos está se tornando comum. "Dois funcionários já tiveram seus carros levados na rua da unidade em plena luz do dia", diz uma professora que não quis se identificar.Segundo a secretaria, o pessoal contratado para segurança e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) fazem rondas externas.Mas nem tudo é problema no Rosa da China. Foi graças à abertura do centro que Selma Ferreira Dias, de 42, ganhou uma profissão. "Eu era dona de casa e não tinha mais esperanças de trabalhar, até que fiquei sabendo das vagas do CEU e me inscrevi."Selma fez um treinamento e foi contratada como agente técnica no telecentro. "O trabalho é ótimo, o curso de iniciação à informática para crianças a partir dos 10 anos já começou e está bem concorrido", diz. "Nem acredito que estou tendo a chance de recomeçar."Sem poder usarO telecentro que funciona bem em Sapopemba é alvo de reclamações em Perus, zona norte. Alunos e vizinhos se queixam de que nunca conseguem marcar hora para usar os computadores ou a quadra do CEU, inaugurado em 25 de agosto.A secretaria diz que é preciso marcar um horário pessoalmente para usar o computador e alega que a procura pela quadra é muito grande. "Se a gente vem pessoalmente, mandam telefonar", reclama Elivan Vasconcelos Pereira da Silva, de 14. "E quando a gente liga ou só dá ocupado ou ninguém atende. Assim fica impossível."A comunidade também reclama do fato de a piscina permanecer fechada. Por causa de um problema de infiltração, os azulejos tiveram de ser retirados. A Prefeitura alega que já está providenciando os reparos e a contratação de salva-vidas.Alunos de foraNo CEU Jambeiro, em Guaianases, zona leste - inaugurado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 1.º de agosto - as oficinas culturais e esportivas estão funcionando e até alunos de escolas estaduais têm a chance de freqüentá-las."Meu filho não está na Prefeitura, mas pode fazer as aulas de futebol aqui no CEU", diz a passadeira Demesina Félix Ferreira, de 37 anos, mãe de Marcos Vinicius, de 7, que também já se inscreveu nas oficinas de teatro e natação. "Estou achando ótimo porque ele não fica de bobeira a tarde toda."O CEU também foi o primeiro a receber filmes da 27.ª Mostra BR de Cinema. Foram 14 exibições gratuitas, assistidas por 3.500 pessoas.Cobertura e padariaMas ainda há o que fazer, como construir uma cobertura na saída lateral. "Tem dias que as professoras dispensam as crianças pela saída que fica do lado e, se está chovendo, elas ficam todas molhadas", diz a dona de casa Aparecida Trindade, de 52 anos, mãe de Priscila, de 9, que está na 3.ª série. "Tirando isso, o resto está muito bom."Mãe da aluna Tainá, de 6, Bernardete de Carvalho elogia o CEU. Mas tem uma queixa: "A padaria ainda não está funcionando."A secretaria garantiu que está estudando ajustes na estrutura do CEU Jambeiro para resolver o problema da cobertura. Quanto às padarias das unidades, informou que elas não foram inauguradas porque ainda está em busca de parceiros.

Agencia Estado,

01 de novembro de 2003 | 20h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.