Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Educação terá de 7% a 10% do PIB, diz Haddad

Segundo o ministro, investimentos na área estão previstos no Orçamento 2012

Alfredo Junqueira, de O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2011 | 23h48

RIO - O volume de recursos a ser investido em educação no ano que vem representará entre 7% e 10% do total do Produto Interno Bruto (PIB) do País. A afirmação é do ministro Fernando Haddad, que participou, na manhã de segunda-feira, 10, de palestra promovida pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.

 

De acordo com Haddad, os investimentos estão previstos no projeto de lei que estabelece o Orçamento 2012 do governo federal, que está em tramitação no Congresso Nacional.

 

“Não vai ser menos que 7% nem mais de 10%. Esperamos contar com a participação do Congresso”, disse o ministro. “A média investida pelos países que fazem parte da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) é de 5%, mas o PIB deles é maior e sua dívida com a educação, menor”, argumentou Haddad.

 

Durante sua palestra, o ministro voltou a defender o fim do vestibular e a efetivação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como processo de seleção para acesso às instituições de ensino superior.

 

Para Haddad, o vestibular provocou um “grande mal” para a educação brasileira. “Não deu certo e nunca dará. Tanto que nenhum outro país adotou esse sistema”, disse.

 

Haddad também comparou o Enem a avaliações similares que ocorrem em outros países. Ele começou ressaltando que a Coreia do Sul, um dos países que mais investiram em educação nos últimos 30 anos, estabeleceu um feriado nacional no dia de seu exame. Depois, lembrou que países como China, Estados Unidos e Grã-Bretanha também sofreram com fraudes e obstáculos jurídicos na realização de seus exames.

 

Os casos citados serviram para o ministro relativizar os problemas ocorridos no Enem em suas duas edições passadas. Em 2009, as provas vazaram da gráfica em que foram impressas - a fraude foi revelada pelo Estado e motivou o cancelamento do exame.

 

No ano seguinte, ocorreram problemas na impressão dos teste e na distribuição de cartões-resposta. “Você colocar 5 milhões de pessoas em sala de aula num fim de semana não é simples”, argumentou Haddad.

 

Reforma. O ministro, pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo Partido dos Trabalhadores (PT), também defendeu a reforma educacional do ensino médio, com prioridade para a permanência dos alunos em período integral.

 

Na proposta defendida por Haddad, o primeiro turno de aula seria dedicado às matérias básicas, com conteúdo mais enxuto, para que o professor possa aprofundar os temas estudados. O segundo turno seria dedicado à formação cultural e ao ensino digital.

 

Haddad também fez elogios aos partidos de oposição, que, segundo ele, ajudaram-no a aprovar 2 emendas constitucionais e 50 projetos de lei durante o seu período no comando do Ministério da Educação. Ele disse que espera contar novamente com esse apoio no Senado para que seja referendado o projeto já aprovado na Câmara dos Deputados que cria o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.