Ministério da Cidadania
Ministério da Cidadania

Economista deixa Cultura e assume pasta no MEC que credencia faculdades privadas

Saída de Ricardo Braga abre nova disputa na Cultura; um dos cotados é o diretor do Ceacen, Roberto Alvim

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2019 | 11h00

BRASÍLIA - O economista Ricardo Braga deixou nesta quarta-feira, 6, a Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania para assumir a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (Seres/MEC).

Sem experiência na área de educação, Braga assume pasta estratégica ao governo, pois aprova o credenciamento de novas faculdades e a abertura de novos cursos na rede particular de ensino. A secretaria ainda é alvo de pressão por políticos e grupos educacionais.

Braga esteve por apenas dois meses à frente da Cultura. O secretário anterior, Henrique Pires, deixou o governo após a suspensão de edital que selecionava obras com temática LGBT para serem exibidas em TVs públicas.

A saída de Braga abre disputa para novo secretário de Cultura. Conforme o Estado publicou, um dos cotados ao cargo é o atual diretor do Centro de Artes Cênicas (Ceacen) da Funarte, Roberto Alvim

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, tem relação conturbada com Alvim, segundo pessoas do governo, e trabalha para evitar que ele assuma o cargo. 

Próximo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Alvim também é avaliado para assumir a presidência da Fundação Nacional de Artes (Funarte), desocupada desde segunda-feira, 4, quando foi exonerado o pianista Miguel Angelo Oronoz Proença. 

Ao Estado, o músico disse que responder a ataques de Alvim à atriz Fernanda Montenegro foi decisivo para a sua demissão

Novo secretário do MEC

Paulistano de 50 anos, Braga é formado em Economia pelas Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU-SP) e tem MBA em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ao assumir a Secretaria de Cultura, o Ministério da Cidadania informou que Braga construiu uma trajetória no mercado financeiro, de bancos e corretoras, e tem experiência na gestão de operações e investimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.