<!-- ecarreira -->Falta visão cosmopolita ao gestor brasileiro

O executivo brasileiro, e não só o ambiente político e econômico, tem como influir de forma significativa na inserção do País nos negócios internacionais. Professores de escolas de negócios estão cada vez mais convencidos disto, mas fazem ponderações e recomendações ao desenvolvimento de habilidades.?O perfil do executivo do futuro é capacidade de correr riscos?, argumenta a professora Vick Lynn Jones, coordenadora do One MBA da Eaesp-FGV. ?O Brasil precisa de diversidade em seus investimentos, mas ainda é pouco envolvido no comércio internacional. Os executivos precisam ter sempre um plano A e um B.?Países de riscos?É preciso olhar de fora para o Brasil?, opina o professor Antonio Carlos Manfredini, também da Eaesp. ?Falta ao gestor brasileiro uma visão cosmopolita, tem de olhar para o Atlas sem preconceito.?E ele alerta: ?É preciso prospectar oportunidades espalhadas geograficamente. Temos de ser agressivos nos mercados e em países de riscos.?Segundo Manfredini,?por uma série de coincidências?, o Brasil tem de enfrentar na exportação os lobbys pelo mundo, como a resistência dos EUA em relação à venda de laranja e açúcar e os lobistas da agricultura européia.Instituições unidasA Escola de Administração e Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (Eaesp-FGV) deu um passo para oferecer este tipo de qualificação aos brasileiros, juntando-se a sete instituições de ensino latino-americanas e ibéricas para intensificar o debate sobre o desenvolvimento dos negócios na América Latina, o papel dos executivos no comércio exterior e o campo profissional nesta região.Egade - Tec de Monterrey, do México; Instituto de Empresa, da Espanha; Iesa, da Venezuela; INCAE, International School of Management e Pontificia Universidad Católica, do Chile; Universidad de los Andes, da Colômbia, e Universidad de San Andrés, da Argentina, são as parceiras da Eaesp-FGV na iniciativa.Juntas, elas formaram um bloco batizado de Sumaq Alliance, grupo de escolas de formação de executivos que tem como objetivo gerar intensa pesquisa, processos de aprendizagem e programas de educação executiva.Integração e AlcaAlém de debater o intercâmbio, as escolas defendem a participação mais intensa dos profissionais brasileiros na integração comercial entre os países, os mitos e perspectivas da polêmica formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).Para os professores, o futuro do comércio internacional causa impacto nos campos profissionais e no desenvolvimento de carreiras ? motivo que requer que os executivos não fiquem à margem das discussões.?A academia deve ser sempre independente do governo, um espaço para debater sobre tudo?, diz a professora Vicki. ?Queremos que os executivos brasileiros possam discutir possibilidades de ter sucesso nos negócios apesar de qualquer ambiente político.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.