<!-- ecapítulo -->Tecnologia digital comprova beleza de Nefertite

Com o uso de tecnologia digital, especialistas conseguiram reconstituir o rosto de uma das mais belas e lendárias mulheres do Egito antigo, a rainha Nefertite, que viveu há 3 mil anos. Em junho, o canal de TV Discovery Channel anunciou a descoberta da suposta múmia com os restos da rainha.A descoberta foi feita pela egiptóloga britânica Joan Fletcher, da Universidade de York. Agora, numa iniciativa conjunta, a rede de TV, a arqueóloga e uma equipe de especialistas usaram recursos de tecnologia digital para redesenhar o rosto de Nefertite.Os traços ainda preservados da múmia revelavam um perfil bem delineado, pescoço elegante, a marca de uma apertada fita na testa, dois furos na orelha, cabeça raspada ? para carregar a famosa coroa azul ? e dedos da mão direita curvados, como se agarrassem um cetro. Nefertite reinou durante o século 14 a.C.Em junho de 2002, a egiptóloga começou as buscas por Nefertite na tumba de Amenotep II, localizada no Vale dos Reis, em Luxor. Ela já procurava o corpo da rainha havia 12 anos.A Discovery financiou a expedição. Logo após o anúncio, a descoberta foi desacreditada pelo diretor do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Zahi Hawas.

Agencia Estado,

13 de agosto de 2003 | 17h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.