EAD ajuda no ensino mais personalizado, diz pesquisa

Modalidade, porém, ainda enfrenta resistência dos próprios professores; estudo foi encomendado por sindicato das particulares

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

27 Abril 2015 | 19h12

SÃO PAULO - A educação a distância (EAD) ajuda a tornar o ensino mais personalizado e facilita o uso de novas estratégias docentes. Essa é a impressão da maioria dos gestores de universidades, ouvidos em uma pesquisa do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). A resistência interna à modalidade, porém, ainda é um desafio.

Os resultados foram divulgados nesta segunda-feira, 27.A pesquisa qualitativa ouviu 20 instituições de grande e pequena porte. As escolas participantes têm cursos totalmente em EAD e outros que usam apenas o limite de 20% de aulas a distância nos cursos presenciais, segundo as regras do Ministério da Educação (MEC).

De acordo com o levantamento, 83% dos 20 gestores ouvidos disseram que o aprendizado ficou mais personalizado. A mesma proporção de entrevistados afirmou que o EAD reduz os custos acadêmicos e administrativos.

Uma quantidade menor (44%) dos gestores informou que o ensino online ajudou a reduzir até a evasão. O abandono de estudantes antes da conclusão do curso é tradicionalmente considerado um problema do EAD.

Radiografia. Entre as áreas, o estudo mostrou que as Ciências Humanas são as que têm mais cursos na modalidade. Já nas Exatas e, principalmente, na Saúde, a presença da educação a distância ainda é mais tímida.

"Somada à resistência da academia ao EAD, temos a burocracia para credenciar um polo de ensino a distância", comenta o diretor-executivo do Semesp, Rodrigo Capelato. Segundo ele, ainda existem poucas modelos de ensino online em oferta. "É importante que outros apareçam, até para gerar concorrência", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.