É o fim da escolha do curso via nota de corte na Fuvest

Alunos dizem que as alterações afugentam quem escolhe a carreira pelo ingresso fácil

Isis Brum, Jornal da Tarde

06 Junho 2011 | 12h07

De olho nos cursos de baixa procura por amor às profissões e não pela facilidade de ingresso, alguns vestibulandos não acreditam que o aumento da nota de corte poderá prejudicá-los no exame da Fuvest este ano.

 

Na opinião de Amanda Sanches da Silva, que tem 18 anos, e quer cursar Letras na Universidade de São Paulo (USP), a medida irá afugentar pessoas interessadas apenas em entrar na faculdade e não no curso que presta. “Tem gente, e eu conheço algumas pessoas, que escolhe o curso pela nota de corte baixa”, relata. “Essa mudança poderá fazer com que o estudante pense mais”, considera.

 

No ano passado, a concorrência em Letras foi de 4,27 vestibulandos por uma vaga e a nota de corte foi de 24. “A mudança foi pequena e para Letras não mudou muito. Se tiver boa preparação, o aluno vai chegar ao nível necessário”, acredita Amanda.

 

Mas, como ela mesma argumenta, chegar ao “nível necessário” requer muitas horas de estudo e dedicação ao conteúdo das disciplinas exigidas para o exame. “Quando cheguei no cursinho (da Poli), vi o quanto perdi estudando em escola pública”, admite.

 

Veja também:

 

linkNova Fuvest afeta cursos de baixa procura

 

Letícia Urbano, que irá disputar uma vaga em Pedagogia - cuja relação candidato/vaga foi de 5,53 ano passado -, avalia que as mudanças feitas pelo Conselho de Graduação da USP (Cog) foram benéficas para ela. A nota de corte também foi de 24 na última edição do exame. “Eu já estou mais ou na média. Acho que não haverá mudança significativa”, opina Letícia.

 

Ela também concorda com Amanda sobre a exigência da nota afastar pessoas desinteressadas na área. “Para mim, foi bom”, conclui a estudante.

 

Na quinta-feira, a USP aprovou também um mecanismo que possibilita ao candidato escolher outro curso após a terceira chamada - uma forma de tentar manter na instituição as melhores cabeças. Além disso, houve alterações no número de questões para o segundo dia da segunda fase.

Mais conteúdo sobre:
Vestibular USP Fuvest

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.