Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

É melhor não inventar moda nas vésperas da Fuvest

Faltam seis dias para a primeira fase da Fuvest, mas ainda dá tempo de estudar. Não é preciso varar noites sobre as apostilas - até porque, se fizer isso, não terá energias para a prova no domingo - nem se desesperar ao descobrir que não tem certeza de alguns tópicos das matérias. Basta organizar um plano de estudo ou, se você já tem seguido um planejamento, manter a rotina. "Não adianta tentar mudar tudo na última semana: nem parar de estudar, nem começar a estudar o dobro", diz o coordenador pedagógico do curso CPV, Armando Muller. "O que dá certo é a continuidade. Se o vestibulando está acostumado a fazer um esporte ou outra atividade durante a semana, por exemplo, deve continuar fazendo. Se costuma dormir tarde, continue indo. Ninguém vai conseguir dormir antes do que está acostumado só porque é a semana da véspera da Fuvest." Armando acha que refazer exercícios das últimas edições do exame é um bom caminho, já que vestibular também é treino. "Tentar ver um novo tópico agora só vai fazer mal porque aumentará a insegurança. O melhor é revisar o que já sabe, sem se desgastar demais." Para Ernesto Birner, um dos coordenadores do Anglo, o estudante deve valorizar o que sabe e não supervalorizar o que não sabe. "Ninguém sabe tudo e na prova vai cair, no máximo, uma questão que você não está preparado para resolver. A dica é manter a confiança e o ritmo de estudo, não adianta desesperar." Nessa semana, ele acredita que vale a pena relembrar os pontos mais importantes de cada matéria para ganhar autoconfiança. "Também é preciso dormir bem, alimentar-se direito e tentar se distrair um pouco, principalmente no sábado", diz. "Mas é normal não conseguir se desligar da prova e um pouco de adrenalina não faz mal à ninguém." Para o orientador do cursinho Intergraus, Éder Melga, a ansiedade ´faz parte´. "Como um atleta na véspera da competição, o vestibulando também fica angustiado. Não adianta dizer ´fique calmo´." O jovem precisa ter cuidado para não deixar a ansiedade passar dos limites. "Para isso, evite ficar se testando. Tentar resolver os exercícios mais difíceis dos últimos vestibulares é tortura e não vai ajudar", aconselha. "Também procure ficar distante de pessoas que aumentam o nervosismo, como aquela tia que relembra a história de um outro sobrinho que teve um branco bem na hora do exame e foi reprovado." Controlar a tensão e não atacar a geladeira é outro desafio. "Muitos estudantes descontam a ansiedade na comida", afirma a nutricionista do Colégio São Luís, Andrea Cristianne de Almeida Martins. "E outros estão tão envolvidos com os livros que se esquecem de comer." Longos períodos de jejum, lembra, causam fraqueza e atrapalham a concentração. "Carboidratos e proteínas no café da manhã ajudam a dar energia", ensina. "E, quando a tensão estiver grande, coma uma banana-nanica ou uma barra de chocolate. Eles têm um aminoácido precursor da serotonina - a substância que propicia bem-estar." Tentando uma vaga em administração na USP, Lígia Cahen, de 18 anos, garante que continuará mantendo a rotina de estudos e sua alimentação normal. Apenas no sábado evitará exageros. "Vou almoçar na casa da minha avó e ela já avisou que fará um prato especial", conta. "À tarde, marquei uma sessão de massagem porque quero estar relaxada na hora da prova."

Agencia Estado,

11 de novembro de 2002 | 14h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.