É hora de começar a procurar cursinho

São muitas as dúvidas que os marinheiros de primeira viagem no vestibular têm de enfrentar logo no início do ano. Cursinho com ênfase na Fuvest, específico para Medicina ou aulas mais gerais? Estudar de manhã, à tarde ou à noite? Para acabar de vez com esses questionamentos nada melhor que saber o perfil de alguns dos cursinhos oferecidos na capital e na Grande São Paulo. Assim, fica muito mais fácil ver qual é a sua praia. Se você sonha em cursar a Universidade de São Paulo (USP), por exemplo, uma boa opção é o Objetivo, que dá ênfase ao vestibular da Fuvest. ?Procuramos passar para os alunos os assuntos que mais caem e os exercícios mais recorrentes na Fuvest?, explica o coordenador do Objetivo, Caio Sérgio Vasques Calçada. ?Mas também não deixamos de preparar para Unicamp, Unesp e Ita.? No Objetivo (http://www.curso.objetivo.com.br), as turmas da manhã são divididas por áreas: Exatas, Biomédicas e Humanas. É um curso mais segmentado, de segunda-feira a sábado, dando reforço às disciplinas principais para cada carreira. Já as turmas da tarde e da noite são mistas, com programação de aulas definida de acordo com o conteúdo de cada disciplina. Os estudos são feitos de segunda a sexta-feira. ?O importante é que todos vão chegar lá, em meados de novembro, sabendo tudo?, garante Calçada. O Objetivo oferece orientação vocacional, acompanhamento nos simulados e estrutura de plantão tira-dúvidas. Oferecer inúmeros simulados é um dos pontos fortes do Etapa http://www.etapa.com.br. ?Este ano fizemos 27 deles?, conta o diretor Carlos Eduardo Bindi. ?Nosso objetivo é treinar os alunos para o momento específico da prova, no qual ele vai ter de demonstrar raciocínio e estratégia para resolver os problemas.? O cursinho procura dar aulas fortes em todas as matérias. ?Ensinamos os pontos necessários para deixar o aluno seguro.? No Anglo Vestibulares, os estudantes são divididos de acordo com os resultados de uma prova, no início do período. ?Procuramos detectar a estrutura mental de cada um?, afirma o coordenador-geral Nicolau Marmo. ?Depois, o desafio é ensinar a cada turma o máximo que ela pode aprender.? Um dos pontos positivos do Anglo, segundo Marmo, é seu material didático. ?Quando o vestibulando sai das aulas, ele sabe o que vai estudar quando chegar em casa.? Já a rede Hexag leva a especialização a sério. Nas unidades Hexag 1, as aulas são só para quem quer passar no Mackenzie. No 2, onde o curso é feito em período integral, o foco são as faculdades de Medicina. ?Quem presta vestibular para essa carreira tem de estar bem preparado?, diz um dos donos do Hexag, Hervan Moura. Populares Os que não podem arcar com os preços de um cursinho tradicional e querem aumentar as chances de passar no vestibular têm boas opções. Uma delas é o Cursinho da Poli, que oferece aos alunos noções de cidadania, além de ensinar as matérias. ?Trabalhamos a formação do indivíduo e procuramos aumentar sua cultura geral. É um aprendizado para a vida toda?, conta o coordenador Fábio Sato. Também ligado à USP, o Cursinho Psico, organizado pelos alunos da Psicologia, é outra dica quente. Como na Poli, há necessidade de passar por avaliação socioeconômica antes de ser admitido. No Educafro, as aulas são gratuitas. Os cursos funcionam em igrejas, sindicatos e escolas públicas. Para se inscrever basta ir até ao Convento de São Francisco, no Largo São Francisco, às quintas-feiras (18 horas) e aos sábados (14 horas).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.