'Dona de casa' perde os hifens; 'pé-de-meia' não

Nova ortografia abre margem a dúvidas que só serão resolvidas com o novo dicionário da ABL

Bruno Versolato, Especial para O Estado

30 de janeiro de 2009 | 09h51

O professor e escritor de livros didáticos Nilson Teixeira anda atormentado por uma dúvida: por que o substantivo composto pé-de-meia manteve o hífen na reforma ortográfica e todos os demais - como dona de casa, pé de cabra - perderam o tracinho.   "Estou procurando uma resposta", disse o professor. "E o pior: continuou sendo substantivo. E o pé do bicho cabra, fica como?" Teixeira, como um bom professor, consegue transformar uma questão complicada em algo engraçado. "Sou macaco velho, mas me sinto tão perdido quanto um novato para responder às dúvidas dos alunos. Como vou explicar para eles qual a regra do pé de meia", afirma. "Na dúvida, vou andar com um dicionário. Vou dizer: 'É assim que se escreve. Pergunte à ABL o porquê'."    MAIS SOBRE O ACORDO ORTOGRÁFICO Correndo atrás da reforma ortográfica Editoras atualizam dicionários visando aumento de demanda Dicionário da ABL: correções antes mesmo do lançamento O Acordo Ortográfico e as dúvidas dos próprios especialistas Software com novo corretor ortográfico já está disponível VOLTA ÀS AULAS: Empresas lucram com personagens infantis em material escolar Seguros para educação protegem colégios da inadimplência Brechó reduz custo de material A educação na era do notebook As particulares, de olho no português  Enquete: Você concorda com o investimento do MEC em notebooks educacionais?  Enquete: Você acha que as novas regras simplificam a ortografia?  Enquete: Quais mudanças ortográficas você considerou mais difíceis de entender?   A resposta da ABL virá com a publicação do Volp, preparada por um equipe supervisionada pelo professor e acadêmico Evanildo Bechara. Mas Teixeira reclama que tentou entrar em contato com a ABL por telefone e correio eletrônico para tirar dúvidas antes do início das aulas, mas não obteve resposta.   Bechara afirma que a ABL tem respondido a todos que a procuram para tirar dúvidas. "As 24 horas do meu dia se tornaram curtas para atender a tantas dúvidas, mas temos feito isso da melhor forma possível."   O acadêmico tem dito que a nova norma foi feita para gerações futuras, que já serão alfabetizadas de acordo com as novas regras. Teixeira concorda com Bechara nesse ponto, mas faz uma ressalva: "Os alunos que foram alfabetizados e ainda estão na escola vão ficar perdidos se as regras não ficarem claras."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.