Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Docentes organizam protesto na casa de Doria no Dia do Professor

Categoria é contrária ao plano do prefeito eleito de expandir vagas apenas por meio de unidades conveniadas

Isabela Palhares e Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2016 | 03h00

SÃO PAULO - O prefeito eleito, João Doria (PSDB), já enfrenta resistência para as suas propostas na área da Educação e sofrerá no sábado o primeiro protesto de professores e o segundo desde que foi eleito – o primeiro, na quinta-feira da semana passada, foi organizado por ciclistas. A categoria é contrária ao plano do tucano de expandir vagas apenas por meio de unidades conveniadas e não diretas, ou seja, construídas pela Prefeitura. 

Aprovados em um concurso do ano passado para a educação infantil, professores temem não ser chamados para assumir o cargo, pois a ampliação de vagas deve ocorrer apenas na rede conveniada. O edital previa o preenchimento de ao menos 600 postos, mas, com a promessa de aumento de vagas nessa etapa de ensino, muitos candidatos acreditaram que o número de convocados seria bem maior. 

A gestão de Fernando Haddad (PT) convocou, no início de agosto, 1.249 candidatos aprovados – no entanto, em julho, reportagem do Estado mostrou que a rede municipal tinha um déficit de professores efetivos, ou seja, concursados, de 1,3 mil na educação infantil. 

“A expectativa é de que fossem chamar muito mais professores, muita gente apostou nesse concurso e se frustrou. É triste porque são pessoas preparadas, com vontade de trabalhar, e vão ficar de fora”, disse uma professora de 28 anos que pediu para não ser identificada. Ela e outros cerca de cem candidatos organizam um ato no sábado, Dia do Professor, na frente da casa de Doria para que ele considere a abertura de novas creches diretas e a convocação de mais docentes.

Ela também disse que os professores se preocupam com a expansão das vagas apenas na rede credenciada por conta da qualidade da educação oferecida às crianças. “Normalmente, essas creches são menores, menos equipadas, os professores trabalham mais horas. É ruim para as famílias a expansão dessa forma.” 

Doria já anunciou que quer fazer parcerias com empresas para a abertura de creches em estações de metrô e terminais de ônibus. A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos e o Metrô informaram que “estão à disposição” do prefeito eleito para discutir a questão. 

Qualidade. Para Anna Helena Altenfelder, superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação (Cenpec), para solucionar e zerar a fila de espera por creche, a futura gestão não pode negligenciar a qualidade da educação ofertada. “Educação infantil é mais sério do que muita gente pensa, tem de garantir que as crianças tenham professores preparados e espaço adequado para a brincadeira e a aprendizagem.”

Segundo Anna Helena, a instalação de creches em estações de metrô deve ser bem avaliada porque as crianças dessa faixa etária precisam de ambientes externos e amplos para brincar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.