Divulgação indevida de dados de inscritos no Enem ocorreu por fragilidade no sistema, diz Inep

Segundo o presidente do órgão, Joaquim Soares Neto, o problema já foi corrigido e os dados estão em sigilo.

Agência Brasil

04 Agosto 2010 | 14h25

A divulgação indevida dos dados de 12 milhões de participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ocorreu por uma “fragilidade no sistema”, de acordo com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Joaquim Soares Neto. Segundo ele, o problema já foi corrigido e os dados já estão em sigilo.

 

Segundo matéria publicada hoje (4) pelo jornal O Estado de S. Paulo, informações pessoais dos participantes das edições do Enem de 2007, 2008 e 2009 podiam ser acessados pelo site do Inep. Mas, de acordo com Neto, o acesso a esses dados é reservado às instituições de ensino que usam a nota do exame como critério de seleção e só podem ser consultados por meio de senha.

 

Mas, após o acesso à página com os dados de inscrição do candidato, o link pôde ser copiado e aberto em outros computadores sem a necessidade da senha. Segundo Neto, uma instituição deve ter repassado o link ao jornalista do Estado de S. Paulo. “Foi uma fragilidade no sistema de segurança porque você poderia ter acesso aos links sem ter a senha”, disse à Agência Brasil. De acordo com o presidente do instituto, seria impossível chegar a esses links sem acessar a área reservada e o problema já foi corrigido.

 

No ano passado, o Enem foi cancelado às vésperas da sua realização porque a prova foi roubada de dentro da gráfica que imprimia o material. Toda o esquema de aplicação da prova teve que ser remodelado. O exame foi aplicado dois meses depois com um índice recorde de abstenção. Na avaliação de Neto, essa nova falha no sistema não compromete a credibilidade do órgão ou do próximo exame, que será realizado em novembro.

 

“O Inep está com uma estrutura bastante grande de segurança, estamos investindo muito nisso. (Esse problema) não afeta de forma alguma a credibilidade do Enem”, disse.

 

Segundo o Ministério da Educação (MEC), ficaram disponíveis nos links desprotegidos o nome completo, o CPF, a carteira de identidade, o número de inscrição do Enem e nome da mãe do participante. Para obter a senha, a instituição teve que assinar um termo se comprometendo a não divulgar os dados. Neto afirmou que as responsabilidades estão sendo apuradas e é “prematuro” dizer quais serão as consequências no caso de um vazamento.

Mais conteúdo sobre:
Enem vazamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.