Dívidas levam UFMG a cortar programas acadêmicos

Pressionada por dívidas e com contas vencidas desde setembro, uma das das maiores universidades federais do País começou a cortar as bolsas acadêmicas concedidas a estudantes. Segundo o vice-reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Marcos Viana Borato o número de beneficiados diminuirá este ano entre 10% e 15%. A duração do auxílio de R$ 240,00 também vai cair de dez para oito meses.Os problemas da instituição não são de hoje, nem exceção no setor. Dona do segundo maior orçamento entre as instituições federais do País (cerca de R$ 38 milhões em 2003), a UFMG foi obrigada no ano passado a firmar acordo com empresas concessionárias do Estado para evitar cortes no abastecimento de água e luz."No fim do ano passado, conseguimos quitar as contas de agosto. Mas continuamos devendo de setembro a dezembro, um total de R$ 3,2 milhões", diz o vice-reitor Marcos Viana Borato.RomboO rombo total (considerando os gastos com o restaurante universitário e o pagamento de pessoal contratado para suprir a ausência de concursados) chega a R$ 5,2 milhões.A UFMG tem quase 5 mil alunos e é responsável por 54% da produção científica mineira. "Não elevamos nossas dotações deste ano em relação às do ano passado. Só gastos com custeio. Mesmo assim, sem fazer nenhum investimento, teremos déficit de R$ 5,5 milhões", diz Borato.InativosAlém de gastos extras - como os destinados à segurança privada -, a universidade enfrenta uma problema estrutural no caixa: 50% dos gastos com a folha de pagamento são destinados ao pagamento dos inativos e pensionistas. "Temos esperança de que a situação vá mudar. Mas a reforma universitária tem de prever fontes de financiamento estáveis", afirma.A UFMG convive ainda com outra situação típica das federais: a diminuição de quadro de funcionários e professores. O número de aposentados a cada ano supera muito o de contratados por concurso. A reforma que o MEC propõe terá de atender a todas essas demandas.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2004 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.