EFE/Fernando Bizerra Jr
EFE/Fernando Bizerra Jr

Dilma diz à UNE que 'estuda possibilidade' de novos contratos do Fies

Segundo representante da UNE, a presidente também falou que quer assegurar que educação não tenha programas comprometidos 

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 23h16

BRASÍLIA - Durante reunião de cerca de uma hora com representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo “estuda a possibilidade” de liberar a aprovação de novos contratos para o Fies no segundo semestre de 2015. Fies é o programa de financiamento estudantil nas universidades privadas, cujas regras de obtenção de crédito foram alteradas pelo governo, em dezembro do ano passado. A mudança dificultou o acesso aos recursos para pagamento das mensalidades. A informação foi dada, em entrevista, pela presidente da UNE, Virgínia Barros, após o encontro.

Segundo Virgínia Barros, na reunião, os estudantes defenderam a necessidade de que “sejam concluídos os aditamentos de todos os 1,9 milhão de contratos ativos do Fies e abertos novos contatos, além dos 250 mil novos que foram abertos no primeiro semestre deste ano”. Pediu ainda que se amplie estes números. 


“A presidente demonstrou sensibilidade grande neste tema do Fies e disse que está estudando como será aplicado o orçamento de 2015, já que a educação é a prioridade na agenda dela, para que se possa assegurar que não haja prejuízos para a educação em função do corte no orçamento”, declarou a representante da UNE.

Questionada se a presidente Dilma concordou com a abertura de novos contratos do Fies, no segundo semestre, Virgínia respondeu: “ela colocou que o governo estuda a possibilidade de abrir mais contratos no segundo semestre de 2015”. E emendou: “o governo está estudando a possibilidade de serem abertos novos contratos do Fies, e nós reforçamos que é fundamental que estes novos contratos sejam aprovados para abrir mais espaço para novos alunos”.

Sobre os cortes que o governo vai anunciar no orçamento da União, até o fim de semana, a presidente da UNE disse que Dilma não informou se vão afetar ou não a educação. “Ela disse que está estudando todas as possibilidades para que a educação não tenha nenhum dos seus programas comprometidos em 2015, por causa dos cortes”.

Mais conteúdo sobre:
FiesDilma RousseffUNE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.