Deu branco? A culpa é do cortisol

Nível de ansiedade dos vestibulandos pode afetar memória durante a prova

Ana Bizzotto, Especial para O Estado de S. Paulo

25 Agosto 2009 | 05h10

Terror dos vestibulandos, aquele "branco" vivido na hora da prova está ligado ao aumento do hormônio cortisol, que em quantidade elevada, causada pelo stress, prejudica o link com a memória. Curiosamente, o fenômeno afeta mais as mulheres. É o que constatou pesquisa da fisioterapeuta Heloisa Ferreira, do Laboratório de Estudo do Estresse da Unicamp. Ela investigou o efeito da terapia manual para aliviar a tensão de jovens de 17 a 23 anos da data das inscrições, em setembro, até o vestibular, em novembro. O grupo que fez a terapia teve melhor desempenho no exame.   Sob orientação da professora Regina Célia Spadari e co-orientação da professora Dora Grassi, Heloisa comparou dois grupos ao longo de 2006 e 2007. Um, com 21 alunos, serviu de grupo controle. No outro, de 32 estudantes de um cursinho de Campinas, ela aplicou massagens de 40 minutos,duas vezes por semana.   O stress foi medido pelo nível de cortisol na saliva. "O stress tem o lado bom de motivar a disputa, mas não pode ser exacerbado. Além de afetar a memória na prova, provoca gastrite, dor de cabeça e outras alterações que podem evoluir para problemas mais sérios no futuro", alerta Heloisa.   O resultado do vestibular refletiu diferenças entre os grupos. No de controle, a aprovação foi de 34%. No grupo tratado, 64% foram aprovados.   A pesquisa também avaliou os vestibulandos por meio de um questionário de stress percebido, que constatou índice mais alto entre mulheres e estudantes do período matutino. "Alunos do noturno já trabalham, isso diminui a pressão. Os da manhã são mais imaturos e mais pressionados pela família e por si mesmos."   Luis Guilherme Melo, de 18 anos, foi uma vítima do "branco" no último vestibular da Fuvest, quando tentou vaga para Medicina. Ele "travou" numa questão de botânica. "Não tinha mais tempo e escrevi qualquer coisa. Quando acabei de passar a limpo, lembrei a resposta, aí não tinha mais jeito."   Tae kwon do   Ao contrário de muitos colegas, Isadora Bertolini, de 17, nunca teve branco. Ela fará vestibular para Jornalismo. "Fico tranquila por causa do tae kwon do, que faço há três anos. As técnicas de respiração me ajudam a concentrar", diz. "Ao harmonizar o ritmo fisiológico e o mental, é mais fácil passar a ideia para o papel."   Aline de Marco, de 20, vai prestar o terceiro vestibular para Psicologia. Para ela, o nervosismo ocorre justamente porque o aluno sabe que não pode ficar nervoso. "Daí vem o branco, você trava e compromete a prova toda. Aconteceu comigo na 2ª fase da Unicamp", diz. "O valor atribuído à prova é uma grande fonte de stress. Quem vai mal acha que é um fracasso."   O stress nos vestibulandos também foi avaliado pelo médico Daniel Guzinski e a psicóloga Cátula Pelisoli. Eles aplicaram um questionário a 1.046 alunos de cursinhos de Porto Alegre e usaram uma escala científica para medir sintomas e o grau de ansiedade. Dos estudantes avaliados, 23,5% apresentaram nível moderado ou grave de ansiedade.   Publicidade   Assim como no estudo da Unicamp, o índice foi mais alto entre mulheres. "Isso já era esperado, mas a surpresa foi que 32,3% das alunas apresentaram ansiedade moderada ou grave. É quase um problema de saúde pública", diz Guzinski. O curso campeão de candidatos ansiosos foi Publicidade e Propaganda, com 36,7%. Medicina ficou em terceiro, com 25,6%. "Parti da hipótese que Medicina ficaria em primeiro lugar e isso não ocorreu. Acho que o aluno sente menos obrigação de passar por ser o curso mais difícil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.