Desenvolver e aprimorar produtos é apenas um dos campos de atuação

Entenda um pouco mais os desafios da carreira de químico

Juliana Portugal, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2010 | 11h05

Certamente, você já consumiu algum produto que era de um jeito no passado e hoje ele está mudado para proporcionar, por exemplo, mais conforto e qualidade. Um exemplo? A tinta sem cheiro. O responsável pela ‘mágica’? O químico. Mas trabalhar em laboratório no desenvolvimento de novos produtos e aprimorando aqueles que já existem é só uma das possibilidades de atuação desse profissional.

 

 De acordo com o coordenador do curso de Química da Universidade de São Paulo (USP), Paulo Teng Ansumodjo, há oportunidades em inúmeras frentes, especialmente nas indústrias – como a de cosméticos, química, farmacêutica e agrícola. O coordenador do Sindicato dos Químicos de São Paulo, Osvaldo Bezerra acrescenta: “É preciso observar as tendências. Um campo que se abre fortemente hoje é na área de petróleo, por exemplo”, afirma.

 

 O gerente de laboratório da marca de tintas Suvinil, Luiz Sérgio Morant, 50 anos, sabia que queria trabalhar na indústria. Por conta da faculdade integral, fez estágios durante as férias e, quando se formou, já acumulava experiência suficiente para ser contratado pela própria empresa em que estagiava na época. “O químico precisa ter atenção aos detalhes, capacidade de concentração, saber trabalhar em equipe e facilidade com números”, dá a dica.

Mais conteúdo sobre:
química educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.