Desastre em curso

Em artigo, vice-diretor da Poli-USP fala sobre projeto que libera contratação de professores universitários sem pós

José Roberto Castilho Piqueira*, Especial para o Estadão.edu,

05 Julho 2011 | 18h40

Nos próximos dias deve tramitar pelo Senado o Projeto de Lei 220, de 2010, que pretende alterar a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Até aqui parece tudo simples burocracia, de pouco interesse para a sociedade. Mas não é bem assim: essa modificação proposta para a legislação desobriga da titulação os professores dos cursos de Engenharia, remetendo o País aos anos 1950, época em que estávamos acadêmica e tecnologicamente muito atrasados em relação ao restante do mundo.

 

Nos anos 1960 e 1970, as principais escolas de Engenharia do País, com apoio dos órgãos de fomento, enviaram seus professores ao exterior para a obtenção da formação adequada, em cursos de mestrado e doutorado.

 

Nos anos 1980 e 1990, esses professores, ao voltar ao País, implantaram programas de pós-graduação em Engenharia, formando uma boa geração de novos engenheiros e tecnólogos, agora habituados à pesquisa e à inovação.

 

Há hoje, em nosso país, excelentes programas de pós-graduação, em quantidade suficiente para atender a nossas demandas. A indústria, antes avessa à titulação de seus engenheiros e técnicos, hoje anda em busca de mestres e doutores e algumas têm seus próprios programas, em conjunto com universidades.

 

Assim, a demanda proposta é dirigida na contra mão do desenvolvimento e não atende ao que a sociedade precisa: mão de obra de alto nível que nos leve à independência tecnológica.

 

Temos mestres e doutores na área, em boa quantidade. Entretanto, as universidades particulares preferem os não titulados ou aqueles que fazem do ensino uma simples complementação salarial. Isso implica uma queda considerável nos custos de operação dos cursos, acompanhada de uma baixa qualidade de ensino.

 

Há gente competente para lecionar em escolas de Engenharia que não é titulada. Entretanto, em número muito menor do que os mestres e doutores que buscam uma posição em ensino e pesquisa e não encontram, pois as instituições de ensino não querem investir o necessário em salários e em infraestrutura de pesquisa, pensando, apenas, em maximizar seus lucros.

 

* Vice-diretor da Escola Politécnica da USP e diretor presidente da Sociedade Brasileira de Automática

Mais conteúdo sobre:
Ensino superior Senado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.