NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Desafio da USP é educar para as incertezas, diz ex-premiê

Em evento que procura vislumbrar 2024, reitores e especialistas destacam necessidade de antecipar o futuro

Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

08 de março de 2016 | 21h55

oA Universidade de São Paulo (USP), considerada por vários rankings a melhor instituição de ensino superior e pesquisa do Brasil, está em momento de autoavaliação. Ainda dentro das comemorações dos 80 anos (completados em 2014), está preocupada em como vai chegar aos 90, e decidiu buscar em parceiros no exterior experiências e inspiração para descobrir como pode melhorar.

Esse é o mote do evento USP 2024, feito em conjunto com o jornal O Estado de S. Paulo, que teve início nesta terça-feira, 8, e prossegue até sexta-feira, reunindo reitores de seis universidades estrangeiras parceiras: Humboldt, de Berlim, de Buenos Aires, de Tsukuba, Jean Moulin Lyon 3 e Sorbonne Paris Cité.

O físico José Goldemberg, ex-reitor da USP e atual presidente da Fapesp, explicou que a ideia surgiu quando ele coordenou um estudo sobre os 80 anos da USP. “O que descobrirmos é que há altos e baixos. Somos uma universidade pública que custa para o povo de São Paulo parte dos seus impostos e por isso temos de responder às demandas do povo. A pergunta era: fizemos isso? Em parte, sim, mas a qualidade do trabalho não é tão grande quanto o esperado”, disse. “Estamos entre as 200 melhores universidades do mundo. É bom, mas poderia ser melhor”, afirmou Goldemberg.

Convidado especial para a discussão, o ex-primeiro ministro espanhol Felipe González, que assume a Cátedra José Bonifácio da USP nesta semana, ressaltou que o maior desafio que as universidades têm pela frente é “educar as novas gerações para as incertezas”. Para ele, a universidade tem de antecipar o futuro, não apenas relatar o passado. “É a única maneira de garantir que teremos capacidade de resposta e adaptação às mudanças que teremos”, disse. Ele afirmou que é preciso ensinar, acima de tudo, a ser criativo. “Em 2024, provavelmente, haverá 60% a 70% de novas atividades que ainda não existem nem podemos imaginar.”

Financiamento. Marco Antonio Zago, atual reitor da USP, disse que um dos desafios do futuro é como financiar a universidade. Se deve ser uma responsabilidade das famílias dos estudantes ou da sociedade, com impostos, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.