Antonio Augusto/Agência Câmara
Antonio Augusto/Agência Câmara

Deputados querem CPI da UNE e investigar ocupações

Parlamentares coletaram assinaturas e protocolaram novo pedido para a criação de comissão para investigar a entidade estudantil

Isadora Peron e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2016 | 23h00

BRASÍLIA - Um grupo de deputados, liderado pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP), coletou assinaturas e protocolou novo pedido para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da União Nacional dos Estudantes (UNE). O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que ainda não decidiu sobre a criação da comissão. Mas afirmou que, se os critérios básicos forem atendidos, a CPI será autorizada a funcionar. “Não tem outra alternativa.” 

A expectativa é de que Maia leia a autorização da criação da CPI na segunda semana de novembro. Além da suspeita de desvio de dinheiro público pela direção da UNE, os deputados afirmam que também vão querer investigar as recentes ocupações nas escolas e o papel da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

 

 

Feliciano afirmou que a nova tentativa de instalar a CPI não é perseguição aos movimentos sociais, mas uma necessidade de tirar o comando da UNE das mãos de partidos de esquerda. “Que fique bem claro que isso não é revanchismo, não é perseguição política, nós não queremos destruir a UNE. A UNE não pode ser partidária, e é isso que acontece hoje. A UNE tem sido usada como um braço da esquerda, do ex-governo, como um puxadinho do PT”, disse. 

No fim de abril, Feliciano protocolou o pedido de criação da primeira CPI da UNE, mas a instalação da comissão esbarrou em Maia, que não queria desagradar os partidos de oposição, que foram essenciais na sua eleição para a presidência da Casa.

Abuso. A presidente da UNE, Carina Vitral, considerou que a criação da CPI seria abuso de poder da Câmara porque cabe ao Legislativo fiscalizar órgãos públicos, e não uma entidade privada, como a UNE. Segundo ela, a entidade já presta contas ao TCU dos convênios com a União. Para a dirigente, a nova ação dos partidos visa a criar um ambiente de retaliação às ocupações em unidades de ensino. “Ao incluir a ocupação de escolas e universidades, prova que é instrumento de retaliação, é perseguição estudantil.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.