Depois do vestibular, é hora de calcular chances

Depois de enfrentar cem questões em cinco horas de exame, vestibulandos passaram o dia seguinte à prova da Fuvest fazendo contas. Como a prova mudou em relação ao ano passado, aumentando o número de questões, foi preciso calcular uma provável nota de corte para cada curso.Nada de logaritmo, progressão aritmética, equação de terceiro grau ou qualquer outro complicado cálculo matemático sempre presente nos vestibulares. A solução foi a velha e simples regra de três.A nota de corte é a quantidade de acertos mínima para cada curso, que permite ao candidato passar para a segunda fase do exame. Desde 1995, com 160 questões no vestibular, elas costumavam variar entre 60 e 120. Este ano, numericamente serão mais baixas."A nota de corte deve ficar entre 60 e 63 pontos. Eu fiz 65", afirma a candidata a uma vaga em Direito Andressa Chibane, de 17 anos, aluna do Etapa."A nota não vai fugir muito do que essa conta indicar", confirma o diretor da Fuvest, Roberto Costa. Ele explica que o cálculo da nota de corte feito pela Fuvest leva em conta a média de acertos dos candidatos de cada curso.Como os vestibulandos de Medicina costumam ser os mais bem preparados, a nota do curso é sempre a mais alta do exame. No ano passado foi 119 e agora deve girar em torno de 75. "Como a prova não foi tão difícil, acho que as notas de corte podem subir um pouco", completa Andressa."Lacrei meu gabarito", diz Leandro Gonçalves, de 20 anos, aluno do cursinho Anglo, que presta Medicina e não quis contar sua pontuação na prova de domingo. "Não vou fazer especulações para não me decepcionar depois." Ele prefere esperar os resultados oficiais.Segundo Costa, serão convocados para a segunda fase entre dois e três candidatos para cada vaga. As notas de corte oficiais devem ser divulgadas no início de dezembro. No dia 13 sai a lista de aprovados. Participaram da prova mais de 155 mil alunos, que concorrem a 8.711 vagas.Fora a pontuação na prova, o vestibulando pode usar o seu desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para aumentar seu resultado final na primeira fase. Os acertos na prova têm peso 4 nos cálculos da Fuvest, e o Enem tem peso 1.Para que o estudante seja convocado, o total obtido deve ser superior ou igual à nota de corte. Caso o desempenho no Enem piore o resultado, a Fuvest o desconsidera.Em São Carlos, 11 vestibulandos deixaram de fazer a prova da Fuvest porque foram intoxicados por uma maionese estragada. Eles jantaram no sábado em um restaurante da cidade e foram hospitalizados.O coordenador da Fuvest em São Carlos, Paulo Seleghim, disse que só foi avisado pouco antes do vestibular e não pôde levar o exame até os estudantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.