Denúncia atribui seleção de alunos na Unip a tutela

Progressão tutelada ajuda aluno com DPs, mas dá a coordenador poder de liberar as notas quando quiser

Sergio Pompeu e Carlos Lordelo, Estadão.edu

06 Março 2012 | 00h31

SÃO PAULO - Ex-alunos da Unip confirmaram que a universidade formou estudantes que prestaram o Enade junto com outros que não fizeram o exame. Segundo denúncias enviadas à reportagem, isso ocorre porque a Unip tem um mecanismo, o regime de progressão tutelada, que permite atribuir notas quando o coordenador do curso achar conveniente.

"Os alunos são selecionados durante o curso e, no 5.º e 6.º semestres, são ‘reprovados’ e colocados num ‘limbo’, chamado de ‘turma tutelada’. Após o Enade, eles voltam a aparecer e concluem o curso rapidamente", disse uma das fontes. Com a nota em aberto, o aluno não cumpre a carga horária de 80% do curso exigida para prestar o Enade.

Na Unip, para passar para o 2.º semestre, o aluno pode ficar de dependência em um número ilimitado de disciplinas. Nos semestres seguintes, só pode ficar de DP em 5 disciplinas. À medida que o curso se aproxima do fim, o limite cai para 3. No penúltimo semestre, só passa quem não teve nenhuma DP. A quem supera o limite de DPs, a Unip oferece a opção da turma tutelada, na qual não cobra pelas Dps.

"Ele será matriculado provisoriamente no período seguinte do seu curso", explicou um coordenador em e-mail enviado a professores. "Vai para o período seguinte, mas só faz as DPs que a Unip determinar. Neste caso, o aluno fica na condição de tutelado até o final do curso."

O Estadão.edu teve acesso a outros e-mails de coordenadores. Em agosto, época da inscrição para o Enade, um deles respondeu a alunos que a nota só estaria disponível no dia 15 de dezembro, depois da realização do exame.

O mesmo ocorreu com alunos de Administração formados em 2009, quando foi realizado o Enade da área. O coordenador avisou que eles tinham até 14 de dezembro para regularizar DPs (entregando resumos sobre um livro, um filme e um artigo). "Aqueles que querem se formar no ano que vem podem me entregar até 25/06/2010."

A atribuição de notas só em dezembro pode explicar casos como o de um ex-aluno de Direito que prestou Enade em novembro de 2009. "Na classe, mais de 25 alunos se formaram, mas só eu e mais 4 fizemos o Enade."

'Regime atende à demanda de estudantes'. A vice-reitora da Unip, Marília Ancona Lopez, negou que o aluno tutelado possa concluir o curso no fim do ano, mesmo que entregue atividades pendentes. "Alguma coisa ele não está fazendo para receber as notas que faltam. Ele não cola grau até terminar tudo." No entanto, ela admitiu que a colação pode ocorrer logo depois da do resto da turma.

O estudante sob tutela pode estar devendo relatório de estágio ou o trabalho de conclusão de curso. Com isso, segundo Marília, ele não preencheu 80% da carga horária e não está habilitado a participar do Enade. "Vamos imaginar que ele termina o estágio até o fim de abril. Ele pode colar grau em maio."

Mais tarde, em nota, a Unip afirmou que o sistema tutelado nasceu com base em demandas do Diretório Central de Estudantes, que considerava muito alto o valor pago pelas DPs. "O DCE solicitou, ainda, que os alunos pudessem cursar as DPs em um prazo maior. No caso do aluno não conseguir eliminar todas até o antepenúltimo período, a universidade prolonga a duração do curso e as DPs não são cobradas."

Mais conteúdo sobre:
UnipEnade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.