Delegacia apura de crime de injúria

Titular de Delegada de Defesa da Mulher quer identificar autores de insultos

09 Novembro 2009 | 20h51

Os advogados da estudante Geisy Arruda entregaram nesta segunda-feira um requerimento à Delegacia de Defesa da Mulher de São Bernardo, pedindo a apuração do crime de injúria contra a garota. No dia 22 de outubro, Geisy foi xingada e ameaçada de agressão pelos colegas por ter ido à Uniban com um vestido curto.A delegada titular da Delegacia da Mulher, Angela Ballarini, afirmou que o inquérito já foi aberto e avisou que oprimeiro passo da investigação será ouvir Geisy, para tentar identificar os possíveis envolvidos na manifestação, que obrigou a garota a sair da faculdade escoltada pela Polícia Militar. O depoimento da estudante ainda não foi marcado.Segundo um dos advogados de Geisy, João Ibaixe, o requerimento inclui sete crimes que devem ter ocorrido com agarota na universidade: difamação, injúria, ameaça, constrangimento ilegal, ato obsceno, incitação ao crime ecárcere privado, por causa da aluna ter ficado numa sala até a polícia chegar. "Ela teve seu poder de locomoção limitado", explicou Ibaixe.O processo visa identificar e culpar os alunos envolvidos no protesto, assim como os integrantes da Uniban, que nãotomaram as medidas necessárias para evitar que a situação fugisse do controle.

Mais conteúdo sobre:
pontoeduunibangeisy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.